Terceirizados do Facebook escutavam áudios de usuários do Messenger

Termos de uso do aplicativo não são claros sobre a prática. Empresa diz que suspendeu essas operações "há mais de uma semana"

iStockiStock

atualizado 13/08/2019 18:29

Depois de Apple, Google e Amazon, agora o Facebook é acusado de ter funcionários que escutam os áudios de usuários. A informação foi divulgada pela Bloomberg, que cita como fontes trabalhadores terceirizados da companhia envolvidos com a função.

O Facebook coleta áudios de usuários de diversas maneiras, incluindo mensagens enviadas pelo Messenger e pela sua caixa de som inteligente, o Portal (não disponível no Brasil). A reportagem não sabe precisar a fonte dos áudios. Ela afirma, porém, que eles eram transcritos e comparados com o desempenho da inteligência artificial da empresa.

Na indústria, o papel de humanos para treinar máquinas a conversar é amplamente conhecido – são eles que transcrevem áudio e indicam ao sistema se estão entendendo corretamente as informações.

Ainda assim, as políticas de uso do Facebook não são explícitas sobre a prática – dizem apenas que terceirizados analisam os produtos da empresa. Os funcionários disseram não saber o motivo das transcrições e teriam decidido se manifestar por considerar a atividade antiética.

O Facebook diz que suspendeu a prática há “mais de uma semana”. Desde 2015, o Messenger tem um recurso opcional para converter áudio em texto. A empresa diz que apenas aqueles que deram permissão para o recurso tiveram os arquivos escutados por funcionários. Isso, porém, acontecia mesmo que uma das pessoas envolvidas numa conversa não tivesse dado consentimento para a ferramenta.

Últimas notícias