Gás produzido por seres vivos terrestres é encontrando em Marte

A presença do gás metano na atmosfera "reafirma a hipótese de que o planeta é presencialmente ativo", afirmam cientistas

atualizado 02/04/2019 16:56

Reprodução/ Youtube

O gás metano flutua periodicamente na atmosfera de Marte. Essa noção é amplamente aceita por cientistas. Porém, um mistério ainda ronda em relação ao metano. Por que o gás existe na atmosfera marciana? Sua presença pode apontar para a presença de micróbios vivendo nas rochas abaixo da superfície. As informações são do O Globo.

Cientistas que trabalham com a sonda Mars Express, da Agência Espacial Européia, informaram que a espaçonave detectou metano em Marte no verão de 2013. O local da concentração era a Cratera Gale, uma depressão de 154 km de largura, perto do equador marciano. A NASA explora essa região desde 2011 e, no verão de 2013, também mediu um aumento acentuado da concentração de gás metano no ar, que durou pelo menos dois meses.

“Nossa descoberta constitui a primeira confirmação de uma detecção de metano”, disse ao New York Times o cientista do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália, Marco Giuranna.

A presença de metano é significativa porque a concentração deste gás tende a cair rapidamente. Os cálculos indicam que a luz solar e as reações químicas na fina atmosfera marciana levariam centenas de anos para romper moléculas e produzir o gás. Ou seja: qualquer metano detectado deve ter sido criado recentemente.

Um das opções de fonte de metano são seres vivos — especificamente micróbios metanogênicos. Esse tipo de micróbio vive em lugares com pouco oxigênio, como em rochas encontradas em pontos profundos do solo ou em tubos digestivos de animais. Outra opção estudada é um processo geológico conhecido como “serpentinização”, quando o mineral é exposto ao calor e à água em estágio líquido.

A presença do gás “reafirma a hipótese de que Marte é presencialmente ativo”, afirmou Sushil Atreya, cientista da Universidade de Michigan e membro do time de pesquisadores da missão “Curiossity”.

Mais lidas
Últimas notícias