China monitora voo de Nancy Pelosi. Aviões de guerra sobrevoam Taiwan

Autoridades chinesas se preparam para um possível pouso da aeronave da presidente do Congresso dos EUA na ilha

atualizado 02/08/2022 12:24

Nancy PelosiWin McNamee/Getty Images

Em meio à tensão sobre a viagem de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o governo chinês anunciou, nesta terça-feira (8/2), que monitora o voo que transporta Pelosi.

Autoridades chinesas se preparam para um possível pouso da aeronave em Taiwan, região conhecida por grandes disputas territoriais. Os chineses consideram a ilha como uma província de seu país, e tentam recuperar o território, que foi desunificado no fim da guerra civil da China, em 1949.

A aeronave que transporta Pelosi saiu da Malásia, mas não apontava um destino final. A parlamentar realiza visitas a países asiáticos durante a semana. Com a aproximação do território de Taiwan, o exército chinês instalou aviões de guerra para sobrevoar a região.

Em comunicado divulgado no fim de segunda-feira (1º/8), um dos embaixadores do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, afirmou que a “potencial visita de Pelosi a Taiwan é perigosa e provocativa”.

No pronunciamento, Lijian defendeu que “Taiwan é uma parte inalienável do território da China”. “O princípio de uma só China é uma linha vermelha na relação com outros países. Não permitimos que ninguém ultrapasse essa linha”, consta no comunicado.

Em vídeo divulgado na página do Ministério das Relações Exteriores chinês nesta terça, a porta-voz do órgão, Hua Chunyng, disparou ameaças contra os Estados Unidos.

“Se os EUA insistirem em seguir o curso de ação errado, então devem ser responsáveis por qualquer consequência séria decorrente disso”.

A tensão virou tema de debates nas redes sociais. Nesta quinta, os termos Taiwan, Nancy Pelosi e China ficaram entre os mais pesquisados no Google Brasil e no mundo.

Mais lidas
Últimas notícias