metropoles.com

Após novas sanções, bolsa de valores russa não abre nesta segunda

Ideia é reabrir mercado ao menos oito horas mais tarde. Moeda do país teve nova desvalorização histórica em relação ao dólar, chegando a 40%

atualizado

Getty Images
Moeda russa teve nova queda histórica. Em foto, uma mão segura algumas cédulas da moeda - Metrópoles

Após registrar mais uma desvalorização histórica na moeda, a Rússia decidiu manter a bolsa de valores fechada na manhã desta segunda-feira e prevê abrir seu mercado financeiro talvez à tarde, oito horas depois do horário usual, de 7h, nesta segunda-feira (28/2). É o primeiro dia após o anúncio de novas sanções econômicas internacionais contra o país.

Nesta segunda, o rublo iniciou a sessão cotado a 118,6 por dólar, com uma queda de 40%. Na sexta-feira (25/2), a moeda já tinha registrado queda expressiva, de 28,77% no valor.

Desde então, novas sanções foram decididas, como a exclusão de bancos da Rússia do principal sistema bancário global, conhecido pela sigla Swift. Sem esse mecanismo, os russos ficam impossibilitados de receber e enviar dinheiro para fora do país. Isso dificulta negociações internacionais, como de importação e exportação, asfixiando a economia do país.

Além de instituições financeiras privadas, o Banco Central da Rússia ficou proibido de acessar suas reservas internacionais e de liquidar ativos, anunciou a Comissão Europeia. Como reflexo da medida, investidores buscam moedas menos instáveis, como o dólar norte-americano e o japonês iene.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Outro ponto importante foi a ameaça nuclear feita por Vladimir Putin, nesse domingo. O presidente russo ordenou que militares coloquem as forças nucleares do país em “regime especial de alerta”. Em reunião com seus ministros da Defesa, Serguei Choigu, e do Estado Maior, Dmitry Yuryevich Grigorenko, no Kremlin, Putin alegou que as nações ocidentais tomaram “ações hostis” contra a Rússia e impuseram “sanções ilegítimas” após a invasão da Ucrânia.






Quais assuntos você deseja receber?