39 corpos de chineses em caminhão: o que se sabe até agora

A polícia britânica segue em uma complexa investigação sobre as causas das mortes, enquanto trabalha na identificação das vítimas

ReproduçãoReprodução

atualizado 24/10/2019 14:22

Sobram lacunas na investigação sobre a cena de horror encontrada em uma zona industrial da cidade de Grays, na região de Essex, onde as autoridades britânicas encontraram 39 corpos dentro de um caminhão. A polícia já constatou que as vítimas, 31 homens e 8 mulheres, são chinesas. O motorista, identificado como Mo Robinson, de 25 anos, segue em prisão para ser interrogado. Confira o que se sabe até agora:

– O veículo foi encontrado na zona industrial da cidade de Grays, na região de Essex;

– De acordo com a polícia britânica o reboque do caminhão chegou aproximadamente às 23h30 (19h30 em Brasília) de segunda-feira (21/10/2019) a Purfleet, porto do Tâmisa, procedente de Zeebrugge, Bélgica, enquanto a cabine partiu da Irlanda do Norte. O Ministério Público Federal da Bélgica informou que o contêiner do caminhão passou por Zeebrugge em 22 de outubro;

– A polícia britânica explica que foi alertada durante a madrugada pelo serviço de emergência sobre os corpos encontrados em uma zona industrial de Grays, Essex, a 30 Km de Londres. Ainda não se sabe quem encontrou os corpos primeiramente;

– A polícia confirma o emplacamento do veículo na Bulgária em 2017, mas afirmaram que o veículo não retornou ao país desde então. “Não há conexão, apenas com as placas”, disse o primeiro-ministro búlgaro, Boyko Borissov;

– Todos os 39 corpos eram de cidadãos chineses. Do total, 31 eram homens e 8, mulheres. A polícia ainda não confirma se eles eram imigrantes ilegais no país;

– O embaixador da China no Reino Unido, Liu Xiaoming, twittou que a embaixada havia lido os relatos das mortes “com o coração pesado” e estava em estreito contato com a polícia britânica para ajudar nas investigações;

– Na noite de quarta-feira (23/10/2019), a polícia britânica fez buscas em três endereços na Irlanda do Norte, que podem estar relacionados ao motorista Mo Robinson;

– Uma grande e complexa investigação foi iniciada por autoridades britânicas para determinar as causas das mortes e identificar todas as vítimas. Em entrevista, a subchefe de polícia Pippa Mills comentou que como o assunto atraiu interesse nacional e internacional, é “absolutamente imperativo que a operação seja conduzida com o maior respeito pelas 39 pessoas que perderam a vida”;

– O trabalho de identificação dos corpos deve ser demorada, já que os especialistas farão um complexo exame para determinar a causa da morte de cada uma das vítimas, além da identificação formal delas;

– A imprensa britânica identificou o motorista como Mo Robinson, residente da cidade norte-irlandesa de Portadown, no condado de Armagh. Ele tem 25 anos de idade e há 5 trabalha como caminhoneiro. Ele continua preso, suspeito de assassinato. Segundo as autoridades, ele não é o dono do veículo;

– A família revelou a jornais locais que está “em choque” e que desconhecem o que está acontecendo com o rapaz. Um amigo chegou a relatar que Mo Robinson desmaiou ao abrir o contêiner e se deparar com os corpos. Ele alega que o parceiro é inocente;

– No mesmo dia da tragédia, a polícia de Kent anunciou que localizou e transferiu para as autoridades de imigração nove pessoas encontradas vivas em um caminhão em uma rodovia ao sudeste de Londres;

– A tragédia remete a um incidente ocorrido em junho de 2000, quando 58 chineses em situação irregular foram encontrados mortos asfixiados em um caminhão no porto de Douvres, sul do Reino Unido;

– A polícia de Essex disse esta é a maior investigação de assassinato da história.

Últimas notícias