metropoles.com

Polêmica fitness: é certo dar whey protein para bebês e crianças?

Adotada por celebridades do mundo da boa forma, a prática é condenada pela Sociedade Brasileira de Pediatria

atualizado

Compartilhar notícia

iStock
Chocolate whey protein powder with a filled scoop
1 de 1 Chocolate whey protein powder with a filled scoop - Foto: iStock

No mundo dos famosos – em especial, entre as “web celebridades” –, todo dia tem uma novidade bombástica. A polêmica da vez foi protagonizada pela ex-BBB Jaque Khury. Em um programa de TV, ela revelou que dá doses de whey protein (suplemento alimentar usado por quem deseja perder gordura e ganhar músculos) ao filho de 4 anos.

“Ele já quer fazer musculação, já toma whey e me pede para treinar”, contou ela.

Jaque não foi a primeira a falar sobre o assunto. A também ex-BBB Michelly Crisfepe anunciou que faria o mesmo quando tivesse o seu bebê. “Conheço os benefícios do whey protein, e a substância já existe nos leites infantis. Vou apenas colocar uma dose de 5 gramas a mais na mamadeira. Não estou dando veneno”, afirmou em uma entrevista.

Afinal, é verdade mesmo que esse consumo não faz mal?

Embora haja especialistas da área de saúde mencionando a possibilidade de crianças consumirem o whey – como mostra esta matéria –, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) condena a prática.

“Infelizmente, essas propagandas com celebridades têm mais efeito do que as orientações corretas dos médicos”, lamenta Virgínia Weffort, presidente do Departamento de Nutrologia da SBP. “De 0 a 20 anos, o consumo não é indicado em nenhuma idade”, frisa.

O maior problema, segundo ela, é o excesso proteico no organismo da criança, que, sem conseguir metabolizar a substância, pode sofrer uma sobrecarga renal. Um copo de whey tem mais proteínas do que o indicado diariamente para meninos e meninas. Além disso, há estudos relacionando o alto consumo do suplemento à obesidade.

“Os pais devem insistir na ingestão de comida. Alimentos são as melhores fontes de vitaminas, não há risco de superdosagem ou chance de que algo não seja absorvido”, explica Virgínia. O cardápio deve incluir todos os grupos alimentares: carboidratos e tubérculos, proteína animal, proteína vegetal (leguminosas), hortaliças e frutas.

A médica reconhece que crianças podem ser seletivas em termos alimentares, especialmente em fase pré-escolar. “[É possível que] seu filho coma menos e, com isso, sofra com uma deficiência de vitaminas e minerais. Nesses casos, pode-se usar um suplemento ou vitamina, mas a avaliação de um pediatra é necessária”, orienta.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações