Mastite não é motivo para interromper amamentação

A doença é um dos obstáculos para as mães, mas especialista esclarece que esvaziamento da mama feito pelo bebê é essencial para o tratamento

atualizado 04/08/2017 7:27

iStock

Na semana passada, esta coluna trouxe a história da Aline, uma servidora pública que teve quatro mastites seguidas até que o problema se transformou em uma infecção generalizada grave, que quase tirou a vida dela.

O caso de Aline levou muitas mães a se alarmarem com a ocorrência da mastite, uma inflamação nas glândulas mamárias que acomete cerca de 10% das mulheres em algum momento da amamentação.

Embora a doença inspire cuidados, especialistas garantem que ela não é motivo para a interrupção do aleitamento materno, pelo contrário. “O esvaziamento frequente da mama é essencial para o sucesso do tratamento”, diz a mastologista Fernanda Barbosa, da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM).

Leia a entrevista com a especialista sobre o assunto:

O que é a mastite?

A mastite puerperal, ou mastite da amamentação, é uma inflamação das glândulas mamárias relativamente frequente, podendo acometer até 10% das mulheres durante o período de amamentação.

Quais os principais sintomas? Quando a mulher deve procurar o pronto-socorro?

A mastite apresenta como principais sinais e sintomas o endurecimento da mama (leite empedrado), vermelhidão local, dor, cansaço, calafrios e febre, geralmente acima de 38ºC. Ao toque, a área acometida costuma estar endurecida, com aumento de temperatura e dolorosa. O diagnóstico é clínico. Se houver sinais de inflamação da mama, procure o mastologista ou o pediatra do seu filho para que o tratamento adequado possa ser iniciado precocemente.

Quando a doença costuma ser mais frequente?

Na maioria dos casos, a mastite ocorre nos três primeiros meses de aleitamento, mas também pode ocorrer em fases posteriores. O melhor modo de prevenir a doença é através da correta técnica de amamentação, com adequada pega do bebê, visando um eficaz esvaziamento do seio em cada mamada e evitando a ocorrência de lesões nos mamilos, que servem de porta de entrada para bactérias.

Uma boa orientação sobre amamentação durante o pré-natal e no pós-parto é o primeiro passo para o sucesso do aleitamento materno.

O surgimento da mastite está relacionado à baixa imunidade da mãe?

O principal fator de risco para a mastite é a estase láctea, ou seja, a permanência de leite represado em um dos ductos mamários por prolongado tempo. A estase do leite pode ocorrer por alguma obstrução de um dos ductos ou por um incompleto esvaziamento dos seios pelo bebê durante a amamentação.

Outro importante fator de risco são as fissuras no mamilo, que favorecem a invasão de bactérias da pele para dentro do tecido mamário. Se não tratada corretamente, a doença pode evoluir, com a formação de abscessos, tornando-se um quadro mais grave, com risco de sepse (infecção generalizada) e necessidade de internação hospitalar.

Como é o tratamento?

Em situações mais brandas, apenas o esvaziamento correto da mama pode ser suficiente para o controle da mastite. Porém, quando há febre alta, mal-estar ou prostração, o uso de antibióticos costuma ser necessário.

Se, após 48-72 horas de antibióticos não houver sinais de melhora, indica-se a realização de uma ultrassonografia da mama para descartar a presença de um abscesso. Após a resolução do quadro, é preciso rever as técnicas de aleitamento para minimizar as chances de um novo episódio de mastite.

Quando há recomendação para parar de amamentar?

Devido ao desconforto, à prostração e à dor, e também por acreditarem que o leite da mama inflamada está contaminado e fará mal ao bebê, muitas mulheres suspendem precocemente o aleitamento materno. Este procedimento está errado.

A suspensão do aleitamento favorece ainda mais o ingurgitamento da mama e a proliferação das bactérias.

O esvaziamento frequente da mama é essencial para o sucesso do tratamento. Dar de mamar durante a doença não só é permitido, como é plenamente indicado. Entretanto, casos mais graves, com presença de abscesso ou necessidade de internação hospitalar, devem ser avaliados individualmente, pelo médico.

Mais lidas
Últimas notícias