Veja o documento da OMS sobre educação sexual criticado por Bolsonaro

Presidente questionou se o país deve seguir as diretrizes da OMS para políticas educacionais. Publicação foi apagada das redes sociais

atualizado 30/04/2020 13:26

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilhou uma mensagem dizendo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) estaria incentivando a masturbação e a homossexualidade de crianças.

O texto foi publicado na noite dessa quarta-feira (29/04) em uma rede social. Após alguns minutos, o presidente voltou atrás e decidiu apagar.

Veja a publicação:

Bolsonaro diz que OMS incentiva masturbação para crianças

Os pontos apresentados por Bolsonaro fazem parte, de fato, de um documento publicado pela OMS em outubro de 2010. Contudo, foram retirados de contexto pelo presidente.

Isso porque o documento é destinado a formuladores de políticas, autoridades educacionais e de saúde e especialistas. E não diz em nenhum momento que a criança deve se masturbar ou fazer relações homo afetivas, como induzido pelo presidente.

Leia a versão reduzida, apenas com as recomendações:

WHO Curriculum Matrix for C… by Tácio Lorran on Scribd

Além do escritório europeu da OMS, participou também da elaboração do guia o Centro Federal de Educação em Saúde (BZgA).

Acesse a seguir a íntegra do guia, intitulado “Normas para a educação em sexualidade na Europa”: versão em inglês, espanhol, francês e outros idiomas (não há em português).

Entenda o que diz

O documento da OMS orienta a introdução de uma educação sexual nos países europeus. Os padrões são baseados em uma interpretação positiva da sexualidade, que é considerada uma parte natural do desenvolvimento humano.

Temas como HIV/AIDS, gravidez indesejada e violência sexual estão incorporados ao longo da formação sexual da criança.

Portanto, com o ensino da educação sexual, o documento ajuda a evitar problemas de saúde e:

  • apoia crianças a tomar consciência dos seus próprios limites e a poder comunicá-los,
  • apoia crianças e jovens a fazer escolhas autodeterminadas e respeitosas e a comunicá-las, e
  • apoia crianças e jovens no desenvolvimento de atitudes respeitosas e tolerantes, que são um pré-requisito para uma sociedade justa e justa.

“Os tópicos tem por objetivo antecipar estágios de desenvolvimento para que as crianças estejam preparadas ao lidar com eles em diferentes níveis de entendimento”, diz o texto.

Últimas notícias