Mesmo sem vacina, Kyrie Irving e Djokovic voltam a competir

Ícones dentro de suas modalidades, atletas geraram polêmicas por recusarem imunização contra a Covid-19

atualizado 04/01/2022 18:15

Novak Djokovic e Kyrie IrvingSrdjan Stevanovic/Euroleague Basketball via Getty Images e Kevork Djansezian/Getty Images

Mesmo com a recente crescente nos novos casos de Covid-19 pelo mundo, a resistência com relação a imunização atinge as mais diversas camadas da sociedade, incluindo grandes esportistas. Nesta semana, dois grandes ícones do esporte iniciarão as atividades em 2022 mesmo sem dar o exemplo de se vacinarem como os demais: o tenista sérvio Novak Djokovic e o astro do Brooklyn Nets, Kyrie Irving.

Nesta semana os dois parecem ter tido uma vitória apesar dos posicionamentos controversos. Djoko revelou nesta terça (4/1), por meio das suas redes sociais, que recebeu uma autorização para competir no Australian Open, mesmo sem ter se vacinado.

Já Irving deve ser reintegrado ao Nets para atuar somente nos jogos como visitante, já que a prefeitura de Nova York impede que pessoas não vacinadas frequentem ambientes fechados, impossibilitando que ele atue nas partidas da franquia em casa.

Desde o início da pandemia, os dois esportistas colecionaram declarações polêmicas e claramente antivacina. Irving foi autor de frases que mostravam inclusive a crença em um suposto microchip que seria inserido nas pessoas que fossem imunizadas contra a Covid-19.

Djoko, por sua vez, foi direto em seu posicionamento e declarou que era contra a vacinação, alegando ter convicções sobre o assunto. Nenhuma delas foi explicada.

Os dois passaram boa parte da pandemia sendo duramente criticados, seja por colegas de esporte, imprensa ou autoridades. No entanto, estarão livres para retomar as atividades em 2022. É importante destacar que Novak Djokovic não deixou de entrar em quadra por conta de seu posicionamento, mas sua presença no Australian Open chegou a ser dúvida por conta disso.

Irving, por outro lado, perdeu boa parte da temporada até aqui por decisão do próprio Nets, que afastou o jogador enquanto a vacinação não ocorresse.

Antivacina arrependido

Outro esportista que ganhou as manchetes por conta de seu posicionamento contrário aos imunizantes foi o meia do Bayern de Munique, Joshua Kimmich. O jogador alemão declarou que não se vacinaria contra a Covid-19. No entanto, ele chegou a desenvolver problemas pulmonares após contrair a doença.

Kimmich pediu desculpas por não ter vacinado e ter criado polêmicas por tanto tempo.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Mais lidas
Vídeos
Últimas notícias