Melhor goleiro do mundo, brasileiro Guitta destaca evolução do futsal no Mundial

Arqueiro esteve no grupo que se sagrou campeão do mundo em 2012

atualizado 21/09/2021 11:54

Chris Ricco - FIFA/FIFA via Getty Images

A cada disputa de um Mundial, o futsal evolui. Na edição deste ano, realizada na Lituânia, não tem sido diferente. E diante da Seleção Brasileira maior vencedora da competição com cinco títulos, as equipes elevam ainda mais o grau de dificuldade. Foi assim, no último domingo, contra o Panamá, pela terceira rodada do Grupo D.

Campeão do mundo em 2012, Guitta também esteve em quadra na goleada brasileira por 16 a 0 diante dos panamenhos, pelas oitavas de final daquele Mundial, na Tailândia. Nove anos depois, o camisa 1 do Brasil reencontrou os adversários novamente em um Mundial, mas, apesar de mais um triunfo, o jogo proposto pelo Panamá foi outro e o resultado positivo foi de “apenas” 5 a 1.

“A gente já sabe que o futsal evoluiu em todos os países e a prova disso foi esse jogo. Também dificulta mais o nosso gol ter demorado a sair. Mas eles são muito habilidosos, são muito rápidos. Faltou um pouquinho de tática para eles, mas isso mostra que o futsal atualmente não é só Brasil e as outras potências que todo mundo já conhece. Então, a gente tem que entrar em quadra atento em todos os jogos e não é por acaso que fiz muitas defesas em todas as partidas”, comentou o arqueiro.

No duelo disputado na Arena Klaipeda, em Klaipeda, a Seleção Brasileira mostrou mais uma vez muita persistência e controle emocional para construir a vitória por 5 a 1. Com o resultado, o Brasil garantiu o primeiro lugar do grupo com 100% de aproveitamento, 18 gols marcados e apenas dois sofridos.

O Brasil volta a quadra nesta quinta-feira, às 14 horas (de Brasília), mas agora para encarar uma partida eliminatória. O adversário das oitavas de final será o Japão.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Vídeos
Últimas notícias