metropoles.com

De desacreditado a herói olímpico, Weverton foi o paredão do Brasil

Goleiro acreano que sofreu apenas um gol durante toda a competição pegou o último pênalti do time alemão e se tornou um dos destaques na conquista da seleção brasileira

atualizado

Compartilhar notícia

BRASIL E ALEMANHA
1 de 1 BRASIL E ALEMANHA - Foto: null

Um paredão sob a meta brasileira, Weverton Pereira da Silva chegou na seleção para substituir o lesionado Fernando Prass e, até a final do futebol nas Olimpíadas, sofreu apenas um gol. Aos 28 anos de idade, foi dele a única defesa em dez cobranças de pênaltis na partida contra a Alemanha neste sábado (20/8). A mais importante da história olímpica do Brasil, que conquistou pela primeira vez o ouro nos jogos na modalidade, após um empate em 1 x 1 no tempo normal e na prorrogação.

Em quase todas as cobranças dos jogadores germânicos, o goleiro do Atlético Paranaense passou perto de defender. Porém, as cobranças fortes insistiam em passar por Weverton. A defesa que daria pela primeira e única vez a vantagem  veio na penalidade derradeira da Alemanha, batida pelo atacante Petersen.

“Minha ficha ainda não caiu. Estou vivendo um momento espetacular, sensacional. Se a chance na seleção principal vier, será tão inacreditável quanto foi chegar até a equipe olímpica”, comentou o goleiro na zona mista do estádio.

 Aposta do técnico Rogério Micale, Weverton chegou à seleção brasileira questionado por muitos. A história de Weverton começou bem longe dos grandes centros futebolísticos do país. Nascido em Rio Branco, capital do Acre, foi pelo Juventus que durante a Copa São Paulo de 2006 apareceu. A ótima atuação dele contra o Corinthians no torneio deu ao goleiro destaque para atuar no time paulista.

Foram dois anos na base corintiana, até subir para a categoria profissional do clube. Sem destaque, entretanto, acabou sendo emprestado a times de menor porte no cenário nacional. Depois de peregrinar por equipes do interior paulista, o acreano chegou em 2012 a seu atual clube.

As ótimas atuações neste ano, em especial no Campeonato Brasileiro, o levaram a ser lembrado para a seleção brasileira principal. Foi a infelicidade de um colega de posição – Fernando Prass, do Palmeiras, fraturou o cotovelo e foi cortado do time olímpico – que levou Weverton à titularidade da meta do grupo e a se tornar herói de um ouro inédito.

A primeira convocação do técnico Tite para a seleção principal será na segunda-feira, para os jogos contra Equador e Colômbia. “Dar alegria à nação brasileira é incrível. Ainda não consigo acreditar em tudo o que passou. Estou muito feliz”, disse o jogador do Atlético-PR, que antes da convocação para a Olimpíada, jamais tinha recebido chamados para defender a equipe.

Weverton comemorou em campo com a bandeira do estado onde nasceu, o Acre. O goleiro também ressaltou que a conquista coroa uma trajetória vitoriosa na carreira. “Cheguei no Atlético-PR para disputar uma Série B. Cativei a identificação com a torcida e tive a honra de ser lembrado na seleção. Tenho muito orgulho”, comentou o goleiro. (Com informações da Agência Estado)

 

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comEsportes

Você quer ficar por dentro das notícias de esportes e receber notificações em tempo real?

Notificações