Homofobia na Copinha: árbitro para jogo 2 vezes e PM é acionada

Partida entre Sport e Audax-SP continuou após intervenções e terminou empatada por 0 x 0

Reprodução/TwitterReprodução/Twitter

atualizado 10/01/2020 10:58

O goleiro do Sport, Túlio, teve que conviver com os gritos de “bicha” a cada vez que cobrava um tiro de meta na partida contra o Audax-SP, na última quinta-feira (09/01/2020), em duelo pela Copa São Paulo de Juniores. A ação homofóbica de parte da torcida, porém, não passou despercebida e foi combatida pelo árbitro Thiago Luis Scarascati.

Conforme relatou em súmula após o empate por 0 x 0 entre os times – resultado que classificou o Sport para a segunda fase da Copinha –, Thiago paralisou a partida duas vezes e cobrou ações para findar os gritos preconceituosos. Na última delas, chegou a acionar a Polícia Militar no estádio. O sistema de som do estádio também tentou, sem sucesso, acabar com os gritos.

O artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva prevê a paralisação da partida e até a perda de pontos em casos como esse.

Veja o que o árbitro relatou na súmula da partida:

“Aos cinco minutos do segundo tempo paralisei a partida devido a torcida do Grêmio Osasco Audax E. C. entoar gritos homofóbicos “O BICHA”, quando o goleiro da equipe do Sport Club do Recife cobrava o tiro de meta, avisei então ambos os capitães bem como ambos os treinadores, o motivo da paralisação. O capitão da equipe do Grêmio Osasco pediu aos torcedores que não realizassem tal ato. Aos seis minutos e 30 segundos do segundo tempo ocorreu novamente a situação acima citada, paralisei novamente a partida e pedi ao policiamento a possibilidade de um suporte fora do campo para controlar a situação, nesse momento o sistema de som comunicou aos torcedores para que os atos fossem cessados, causando assim um efeito positivo aonde pudemos seguir o jogo até o seu fim”.

Últimas notícias