Alex Morgan detalha problemas de assédio sexual na liga feminina

Ela esteve no programa Today dos Estados Unidos ao lado de Mana Shim e Sinead Ferrelly duas das vítimas do treinador

atualizado 06/10/2021 12:58

Alex Morgan Paul RileyLewis Gettier/ISI Photos/Getty Images e Alex Livesey - FIFA/FIFA via Getty Images

Alex Morgan, estrela do futebol feminino norte-americano e mundial, se solidarizou com o caso de assédio no time do North Carolina Courage, que demitiu o técnico Paul Riley após acusações de agressão sexual. Ela esteve no programa Today dos Estados Unidos ao lado de Mana Shim e Sinead Ferrelly duas das vítimas do treinador.

Além de Morgan, outras jogadores da National Women’s Soccer League (NWSL) — a Liga Nacional de Futebol Feminino — estão denunciando as falhas da organização em lidar com acusações graves de assédio sexual.

“Estou aqui para apoiar Mana e Sinead e continuar a amplificar suas vozes, e apenas mostrar a falha sistêmica da liga e como eles erraram ao lidar com o caso, reclamação e investigação de Mana e onde falharam com ela e Sinead, e provavelmente muitas outras mulheres”, disse Alex.

A atacante do Orlando Pride revelou que a liga não tinha uma política anti-assédio, um departamento de recursos humanos, uma linha direta anônima ou qualquer outro meio de denunciar esses crimes, tornando difícil para as jogadores se abrirem.

Shim, ex-volante, desabafou: “Ele era um predador. Ele me assediou sexualmente, ele coagiu Sinead sexualmente e tirou nossas carreira.”

“Eles me silenciaram por várias questões, minha sexualidade sendo a mais importante, e eu estava muito, muito desconfortável o tempo todo. Todos os dias que eu ia trabalhar, ia treinar, todos os jogos que eu jogava, eu não tinha confiança e estava com medo. A única coisa que me ajudou a superar foram minhas companheiras de equipe”, lembrou.

Alex pede para que a NWSL seja mais proativa diante dessas situações: “Estamos pedindo por transparência”, reivindicou a jogadora.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Vídeos
Últimas notícias