WNBA promove aumento de salário e melhores condições para atletas

Novo acordo coletivo, com validade pelos próximos oito anos, envolve também melhores condições de viagem e hospedagem para as jogadoras

atualizado 14/01/2020 15:33

Katherine Frey/The Washington Post via Getty Images

A Associação Nacional de Basquete Feminino (WNBA na sigla, em inglês) anunciou nesta terça (14/01/2020) uma série de mudanças com o objetivo de diminuir as gritantes diferenças entre o basquete masculino e o feminino nos Estados Unidos.

As mudanças entrarão em vigor por meio de um acordo de negociação coletiva, válido pelos próximos oito anos. Entre os seus termos, estão o aumento de 53% na remuneração total em dinheiro, entre salários e bônus por desempenho. Além disso, as principais atletas da liga poderão receber salários superiores a US$ 500 mil, o triplo da compensação máxima prevista no acordo anterior.

É a primeira vez na história da WNBA que a remuneração média chegará a seis dígitos.

“As negociações foram conduzidas em conjunto com as atletas e estou satisfeita pelo acordo garantir aumentos substanciais em salários e benefícios para as mulheres da WNBA”, disse Cathy Engelbert, comissária da liga.

As atletas também passarão a viajar de classe econômica premium, com mais conforto, e terão direito a acomodações individuais em hotéis. O plano familiar também estabelece salário integral durante o período de licença-maternidade, bolsa anual no valor de US$ 5 mil para cuidados infantis, acomodações de dois quartos para atletas com filhos, e reembolso de até US$ 60 mil para ex-jogadoras com despesas relacionadas a processos de adoção, barriga de aluguel, criopreservação de óulos e tratamentos para fertilidade.

Vídeos
Últimas notícias