Bernardo Felinto: conheça o brasiliense no elenco de Órfãos da Terra

O ator irá interpretar um bandido e será aliado do personagem Paul, vivido por Carmo Dalla Vecchia, na vingança de Dalila contra Jamil

DivulgaçãoDivulgação

atualizado 11/05/2019 12:18

Sucesso de crítica e público, a novela Órfãos da Terra vem batendo recordes de audiência no horário das 18h. Nos próximos capítulos, os telespectadores de Brasília vão ganhar um motivo a mais para assistir à trama global: o ator brasiliense Bernardo Felinto, de 33 anos, que acaba de entrar no elenco para movimentar o núcleo de vilões da dramaturgia.

Prata da casa, Felinto teve carreira artística forjada nos palcos da capital federal. O intérprete, que cursou artes cênicas na Universidade de Brasília e na Faculdade Dulcina de Moraes, possui mais de 25 peças de teatro no currículo. Algumas delas, como Não Durma de Conchinha e Tudo Sobre Nossa Vida Sexual, ajudaram-no a se tornar figura conhecida dos candangos.

Na última semana, o ator pegou os fãs de surpresa ao publicar em suas redes sociais a notícia de que iria estrear na história dos refugiados. “Amigos, hoje começaram as gravações do meu personagem em Órfãos da Terra, novela das 6, da Globo! Os capítulos que vou gravar este mês estão previstos para irem ao ar no fim de maio”, escreveu Felinto.

Ao Metrópoles, o ator deu alguns spoilers de seu personagem, Kaara, um bandido que será aliado do personagem Paul, vivido por Carmo Dalla Vecchia. “Ele vai fazer coisas bem ruins. Durante um tempo a novela vai girar em torno desse crime que ele vai cometer”, adiantou o brasiliense.

Sem poder dar mais detalhes para “não estragar a surpresa” para os admiradores do folhetim, Felinto conta que Kaara vai transitar no núcleo de uma das protagonistas de Órfãos da Terra, a maldosa Dalila (Alice Wegmann). Ela prepara uma vingança para destruir as vidas de Jamil (Renato Góes) e Laila (Julia Dalavia). “Nunca fiz nenhum vilão em toda a minha carreira. Mas, para mim, que sou um ator essencialmente de teatro, o que dá um friozinho diferente é fazer TV”, ressalta.

 

Convite inesperado
Até menos de duas semanas atrás, o ator nem imaginava que iria integrar o elenco da história escrita por Thelma Guedes e Duca Rachid. “Fui pego de surpresa. Fiz um teste que nem era para esse papel específico, mas calhou de a produtora precisar de alguém com o meu perfil e me chamar”, lembra.

Desde então, o intérprete se mudou para o Rio de Janeiro, onde vive uma rotina intensa de gravações no Projac. “Eu ainda estou construindo o Kaara, a cada capítulo que chega vou entendendo melhor o tom e as motivações do personagem”, explica.

Depois do convite inesperado, Felinto viu a necessidade de maratonar os capítulos da novela no Globoplay. “Como estava tocando outros projetos, eu confesso que não estava acompanhando. Mas agora estou assistindo tudo o que já passou, é importante para eu entender o contexto em que o Kaara será inserido”, afirma.

Divulgação
Bernardo Felinto já está no Rio de Janeiro vivendo uma rotina intensa de gravações

 

Trajetória
Não é a primeira vez de Felinto nas produções da emissora carioca. O ator coleciona participações em novelas e produções como Amor à Vida, Cheias de Charme, Avenida Brasil, Sangue Bom, Lado a Lado, Em Família, Império, A Grande Família, Tapas e Beijos e Zorra Total. Em 2013, foi contratado pela TV para uma temporada em Joia Rara. O último trabalho foi como o detetive Moura, em Malhação, em 2014.

Às vezes as pessoas me perguntam como consegui chegar a esses lugares tão rápido. Mas, na verdade, eu tenho 17 anos de estrada e uma escalada nada fácil. Estar na TV nunca foi uma meta para mim, mas, sim, uma consequência do meu estudo, do meu trabalho

Bernardo Felinto

Dono de um curso de teatro em Brasília, Bernardo Felinto dá algumas dicas para atores em início de carreira que sonham em ser vistos nas telinhas de todo o país. “Você tem de ser visto e estar preparado quando a oportunidade chegar. O teatro me deu muita bagagem, para que, em chances como essa, eu consiga desenvolver papéis assim, de última hora. Essa base vem de muito estudo, qualificação e experimentação”, conclui.

Últimas notícias