Na tarde deste domingo (05/05/2019), foi realizado o sepultamento do ator das mil faces, Andrade Junior, morto na manhã de sábado (04/05/2019), após sofrer um infarto fulminante. Enquanto o velório, que aconteceu no Cine Brasília, atraiu fãs e artistas do cinema que dividiram o set com Andrade, a despedida final contou apenas com familiares e amigos de infância.

A esposa do ator, Talma Pereira (foto em destaque), 60 anos, com quem Andrade completaria 47 anos de casados em junho, diz que o conforto vem da quantidade de manifestações de carinho que a família tem recebido desde a partida.

“Ele era só alegria e o velório teve a cara dele, leve, suave e amoroso”, afirma. Apesar do sentimento de tristeza pela perda, Talma confessa ainda não ter derramado lágrimas. “Eu ainda não consegui chorar. Ele não merece choro. Merece alegria e saudade”, diz, com firmeza.

Veja como foi a despedida nesta tarde:


Legado de amor
Pai de três filhos, e também o mais velho dos filhos de Andrade, Randal, 46 anos, lembra de como recebeu a notícia do falecimento do ator. “Meu tio me ligou assustado e eu saí correndo até eles. Quando chegamos, a equipe do Samu ainda tentou reanimá-lo, mas ele já tinha ido”, detalha.

Segundo Randal, o principal ensinamento que Andrade o deixou foi o do amor. “Meu pai é um mestre que ensinava com o gesto, ele nunca nos obrigou a fazer nada, nós apenas tentávamos seguir seu exemplo”, lembra.

Os irmãos do intérprete, Abenoen, 68 anos, e Raimundo Andrade, 69, garantem que a alegria que o ator demonstrava nos filmes era reflexo da sua personalidade acolhedora. “Todos que conheceram o Andrade carregam um pedaço dele. E a parte mais valiosa, o sorriso”, conclui Raimundo.

Carismático e figura onipresente em curtas-metragens de jovens cineastas do Distrito Federal, Andrade Junior, com mais de 100 produções na biografia, recebeu homenagens póstumas de fãs, políticos e artistas do cinema e da cena teatral de todo o país. O ator também foi prestigiado com um minuto de silêncio no encerramento do Jornal Hoje, da TV Globo, na tarde de sábado.

Nas redes sociais, um dos primeiros a lamentar a morte de Andrade foi cineasta Nirton Venancio. “Sábado amanhece triste em Brasília com a morte do ator Andrade Junior. Onipresente nos filmes, onipresente em nossos corações… Oh, indesejada das gentes, pisa devagar”, escreveu.

Amigos e familiares homenageiam Andrade Junior em velório no Cine Brasília. Veja as fotos:

 

Titular da coluna Tipo Assim, do Metrópoles, e autor de teatro, Sérgio Maggio foi outro a se manifestar. “Querido, seu sorriso, o som de sua gargalhada, sua generosidade na plateia. O abraço apertado. Tantos filmes e 1001 Andrades nas telas. Um homem apaixonado nos deixa por aqui, bem tristes”, lamentou.

O local da despedida foi anunciado por Cássia Andrade, filha do ator, no Facebook. “O velório do meu pai será no Cine Brasília, o corpo deve chegar por volta das 21h”, informou. Ela também escreveu: “Toda Brasília está comovida e vamos juntos vê-lo no telão”.

 

Trajetória
O ator chegou a somar mais de 100 produções de audiovisual no currículo. Em 2014, foi homenageado durante o 3º Festival Curta Brasília, na mostra O Cinema de Andrade Junior, com a exibição de parte de suas obras, como Defunto Vivo (1992), Tepê (1999), Macacos me Mordam (2005), Nada Consta (2007) e O Egresso (2011).

O artista colecionava participações relevantes no cinema nacional também. Em 2018, por exemplo, contracenou com Dira Paes na gravação do ainda inédito longa-metragem Pureza, dirigido por Renato Barbieri. Na obra, Andrade interpretou um senhor de escravos da era moderna.

A importância do intérprete, mais uma vez, foi reconhecida em 2016, quando os cineastas Érico Cazarré e Victor Pennington produziram um documentário sobre sua vida e obra, intitulado A Louca História de Andrade Junior.

Séries globais
Fora do reduto cinéfilo dos festivais, Andrade Junior ganhou notoriedade por participar de dois especiais de fim de ano da TV Globo. O primeiro deles foi em 2017, no filme Meio Expediente. O longa conta a história de um servidor público que ficou de fora de um bolão premiado na firma. Andrade deu vida a Gadelha, uma espécie de Papai Noel da vida real.

Em 2018, o artista voltou a estampar a telinha da emissora carioca: em Fuga de Natal, atuou em companhia de colegas de mais de 40 anos de tablado, como Chico Sant’Anna, Paula Passos e João Antonio.