Folia com Respeito: campanha busca combater o assédio no Carnaval

A Carta-Compromisso reunirá representantes do poder e blocos de rua para combater a intolerância durante a folia

atualizado 04/02/2019 15:16

Felipe Menezes/Metrópoles

A campanha #FoliacomRespeito será lançada para todos os grupos que se preocupam com o combate à intolerância, discriminação e violência durante Carnaval. A apresentação oficial acontece nesta sexta-feira (1º/2), às 19h30, no Barito Café Bar (405 Norte).

“Uma festa sem assédio e sem violência é direito de todos. Esta campanha é fundamental para a realização de um Carnaval da paz e do respeito à diversidade”, destaca o deputado Distrital Fábio Felix (PSol), que tem participado de reuniões com os coletivos da cidade para colher demandas e colaborar com estratégias de combate à intolerância durante o Carnaval.

A Carta-Compromisso é “uma convocação aos organizadores, artistas e fazedores do Carnaval do Distrito Federal e Entorno”, destaca a inclusão de grupos sociais e exige “uma comunicação clara com os foliões quanto a não aceitar violência, racismo ou assédio em seus eventos”. Além disso, a assinatura da carta compromete os representantes das atrações a “responder publicamente caso haja relato de violência durante o evento realizado, comunicando ao público o ocorrido e as providências que foram tomadas”.

O projeto não conta com apoio financeiro de ninguém, e criaram uma vaquinha online para conseguir produzir o material necessário. Segundo à assessoria, o projeto tem “cerca de 21 adesões (blocos, grupos, parlamentares) individuais [assim como] o Setor Carnavalesco Sul (Setor Comercial Sul) que já conta com 38 blocos”, além da assinatura do Ministério Público.

Letícia Helena, organizadora do #FoliaComRespeito, participadora da Rede Carnavalesca e parte do coletivo dos blocos independentes do DF, afirma que “A campanha Folia com Respeito o foi pensada e construída para tentar reverter o crescente avanço da violência e assédio durante os dias de folia. Com bom humor e preocupada com a representatividade de diferentes grupos, a campanha é montada pensando tanto na conscientização em relação ao respeito às outras pessoas, como em atitudes baseadas no cuidado e na solidariedade”.

“Para 2019 esperamos que a campanha se amplie e ganhe cada vez mais adeptos de uma folia com respeito. É um direito poder sair para se divertir, sem sofrer a interferência brutal e violenta que a falta de empatia por outros seres humanos causa. Tudo o que queremos é criar memórias prazerosas do nosso carnaval e evitar, ao máximo, as memórias traumáticas”, conclui.

Leia a íntegra da carta abaixo:

CAMPANHA FOLIA COM RESPEITO
Carta-Compromisso pela garantia do direito de curtir o carnaval sem sofrer violência ou assédio
Uma convocação aos organizadores, artistas e fazedores do Carnaval do Distrito Federal e Entorno

Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição Federal de 1988, as entidades e os movimentos proponentes desta Carta-Compromisso entendem que a questão da violência ocupa lugar central dentre todas as urgências que se impõem à nação brasileira.

O enfrentamento do desafio constitucional de garantir o direito à Liberdade para cada um dos brasileiros e brasileiras passa necessariamente pela implementação de medidas urgentes que possam não só consolidar os avanços alcançados, mas levar à construção de uma campanha capaz de tornar os festejos do Carnaval mais justo, seguro, divertido e próspero a sociedade brasileira. Neste caminho a campanha, apoiada pelos Blocos de Rua de Brasília, lança para o Carnaval de 2019 um selo para representar que aquela atração carnavalesca faz parte da campanha folia com respeito e promove ações por um carnaval mais inclusivo e seguro.

Para receber o selo da campanha Folia com Respeito 2019 organizadores, produtores e produtoras, artistas, autoridades governamentais e fazedores do Carnaval no DF e Entorno devem empreender os esforços necessários para a superação desse desafio prioritário, se comprometendo a cumprir os seguintes preceitos:

  • Inclusão do selo da campanha em todo o material de divulgação do evento;
  • Manter uma comunicação clara com os foliões quanto a atração não aceitar violência, racismo ou assédio em seus eventos;
  • Divulgar o material da campanha nas redes sociais e meios de comunicação da atração ou evento;
  • Organizadores e/ou responsáveis pela atração não podem estar respondendo por crime de violência contra a mulher, relacionados à homofobia ou injúria racial;
  • A atração deve sempre procurar proteger a vítima, oferecendo apoio e direcionando a vítima para a devida assistência médica e incentivar o registro da violência sofrida;
  • Representantes das atrações devem responder publicamente caso haja relato de violência durante o evento realizado, comunicando ao público o ocorrido e as providências que foram tomadas;

Como proponentes desta Carta-Compromisso avaliamos que há condições favoráveis para a construção e implementação de uma campanha que vise a proteção da construção afetiva dos festejos de Carnaval. Nos últimos anos, a sociedade brasileira compreendeu que o combate à violência é um dever do Estado e um direito a ser exigido pelos cidadãos e cidadãs e é uma condição fundamental para o desenvolvimento social e econômico do país.

Por fim, a construção dessa carta é uma grande oportunidade de avanço no combate à violência através de uma campanha com o propósito de identificar as atrações que se preocupam com o bem estar de seus foliões e folionas e propagam o respeito em seus eventos, garantindo que os brincantes se sintam confortáveis e seguros para criar memórias positivas do carnaval que realizamos.

Os assinantes desta carta-compromisso reconhecem como o desafio prioritário os pontos apontados se comprometem a cumprir os mesmos contribuindo de maneira decisiva para a efetivação de um carnaval mais justo e menos desigual, assegurando às atuais e às futuras gerações uma folia com respeito para todos e todas.

Lançamento da campanha Folia com Respeito
Nesta sexta (1º/2), Barito Café Bar (405 Norte, loja 73, bloco D), às 19h30

Matéria atualizada no dia 4/2/2019

Últimas notícias