Pendência judicial ameaça seleção do Festival de Cannes

The Man Who Killed Don Quixote, de Terry Gilliam, pode não ser exibido por causa do pedido de interdição de um produtor

atualizado 01/05/2018 19:23

Festival de Cannes/Facebook

Na terça-feira (8/5), Cannes estenderá o tapete vermelho, iniciando o maior festival de cinema do mundo. Durante 12 dias, as diferentes seções do evento abrigarão tudo o que de mais avançado estiver em produção ou tiver sido produzido no último ano. E, então, no sábado (19/5), o júri presidido pela atriz Cate Blanchett outorgará a Palma de Ouro. Quem vai levar?

O festival ainda nem começou para avaliar tendências, mas depois da polêmica com a Netflix, no ano passado, o 71º Festival de Cannes não se anuncia menos controverso. Uma pendência judicial ameaça a seleção oficial de 2018 e só será resolvida por um tribunal de Paris na segunda-feira (7/5).

O festival selecionou como filme de encerramento The Man Who Killed Don Quixote, de Terry Gilliam. O título, porém, pode não ser exibido por conta de um pedido de interdição do produtor português Paulo Branco, parceiro do diretor no começo do projeto e afastado posteriormente. Agora, ele tenta recuperar seus direitos.

Cannes – leia-se o delegado Thiérry Fremaux e o diretor geral Pierre Lescure – divulgou na segunda-feira (30/4) uma nota irada acusando Branco de voltar-se contra Cannes e tudo o que o festival significa como liberdade de expressão.

O Brasil participa da seleção oficial, fora de concurso, com Cacá Diegues (O Grande Circo Místico). O festival também baixou uma norma: selfies não serão tolerados no tapete vermelho. Quem insistir, terá o celular confiscado.

Últimas notícias