Mesmo com protestos, Netflix vai manter 365 Dias no catálogo

O filme é acusado de glamorizar o tráfico sexual e o estupro. Cantora Duffy escreveu carta aberta ao CEO da empresa

atualizado 04/07/2020 11:04

Cena do filme 365 DiasFoto: Reprodução

A Netflix confirmou, nessa terça-feira (3/7), que continuará a disponibilizar o filme polonês 365 Dias, que traz cenas explícitas de sexo. O serviço de streaming vem enfrentando resistência de parte do público, que acusa o longa de glamorizar tráfico sexual, sequestro e estupro.

Uma das vozes ativas no protesto é a cantora britânica Duffy, que publicou uma carta aberta ao CEO da Netlix, Reed Hastings, pedindo a saída do filme do catálogo. O longa é baseado na trilogia da polonesa Blanka Lipinska.

“Fico triste que a Netflix ofereça espaço para tal tipo de cinema, que erotiza o sequestro e distorce a violência sexual”, afirmou Duffy.

O filme, descrito como um drama erótico, ganhou fama por conta das cenas explícitas de sexo. No longa, Laura Biel é aprisionada pelo mafioso Massimo, que dá 365 dias apra a refém se apaixonar por ele.

À Reuters, um porta-voz da Netflix disse que o filme não vai sair do catálogo e que ele tem a classificação indicativa correta para obras que tenham sexo, nudez e violênica.

“Acreditamos fortemente em oferecer aos nossos membros em todo mundo mais escolhas e controle sobre a experiência de assistir à Netflix”, afirmou o porta-voz da empresa.

Últimas notícias