Doze vezes em que Paula foi preconceituosa no BBB19

Por causa dos comentários de ódio, a mineira é alvo de uma ação penal pública feita na Delegacia de Combate à Intolerância Religiosa

Reprodução/TV GloboReprodução/TV Globo

atualizado 27/03/2019 20:19

Paula Von Sperling, participante da 19ª edição do Big Brother Brasil, é figura constante nos assuntos mais comentados do Twitter. Mas o motivo de tanta popularidade não é nada louvável. Na verdade é fruto de uma série de demonstrações de racismo, homofobia e preconceitos de classe e religiosos que a sister expõe dentro do reality. Por conta dos comentários de ódio, a mineira é, inclusive, alvo de uma ação penal pública feita na Delegacia de Combate à Intolerância Religiosa (Decradi).

Até a própria Globo já criticou a sister:

Com apenas sete participantes, o Big Brother está na reta final. Pensando nisso, o Metrópoles decidiu facilitar a vida de quem vê a hashtag #PaulaRacista nas redes sociais e não acompanhou o programa. Antes de elencar algumas das frases mais ofensivas disparadas pela competidora, porém, é preciso explicar o significado de racismo institucional – a ignorância sobre o assunto é um dos principais fatores que levaram a loira a conquistar um séquito fiel de defensores, responsáveis por transformá-la na favorita ao título de campeã do BBB19.

O racismo institucional de Paula
Não é que a participante ataque verbalmente os adversários negros da casa. Pelo contrário, o convívio social da jovem com Rodrigo, Gabriela, Rízia e Danrley sempre foi pacífico, confundindo muitos fãs. Paula comete um tipo de racismo velado, sutil a ponto de passar batido por várias pessoas, exceto por quem sente na pele a dor da discriminação.

São termos pejorativos, mas repetidos há tanto tempo que se institucionalizaram, ou seja, se tornaram comuns. Isso, é claro, não diminui o peso dessas palavras para o grupo ofendido por elas. Na tentativa de minimizar as exposições preconceituosas da sister, a família da mineira afirma ser resultado de desinformação e inocência da participante. Justificativa enfraquecida pelo fato de Paula ser bacharel em direito e conhecer as leis sobre discriminação racial.

Entendeu? Agora relembre os comentários mais preconceituosos da Paula dentro do BBB19

“Eu também tenho cabelo ruim”, afirmou Paula, que prontamente foi corrigida por Gabriela. “Não fala isso. Preconceito é ruim, cabelo não!”, disparou a cantora.

Paula pareceu não se importar com a explicação bem-humorada e afetuosa de Gabriela, e voltou a falar sobre “cabelo ruim” e piorou a situação comparando pessoas negras ao carvão.

Os fãs da loira afirmam que a jovem não faz esse tipo de comentário por maldade, mas a própria Paula já falou sobre o gosto por alfinetar e fazer bullying com os colegas.


Paula justifica suas atitudes dizendo gostar de “humor negro”.  Rodrigo tentou explicar para a loira o quanto o termo é carregado do racismo institucional. “Você já reparou que tudo de ruim e mau é considerado negro?”, perguntou o brother.

Gabriela já afirmou sentir dor a cada comentário racista que houve de Paula.

A mente de Paula também está cheia de pensamentos repletos de preconceitos de classe. Certo dia, ela contou ter se surpreendido ao ver que um homem acusado de feminicídio era um “branquinho e não um favelado”.

Ou quando ela disse que uma boate estava mal frequentada porque pessoas “faveladas” passaram a ir.

Paula confessou ter beijado um menino, mas reforçou que não sabia que ele era da “favela”.

A sister também soltou declarações homofóbicas. Para Paula, alguns gays provocam as agressões que sofrem por tentarem se comportar na rua como pessoas “normais”.

A música Elevador, de Jorge Aragão, nunca causou tantas teorias da conspiração e discriminação religiosa. Paula, instigada por Maycon, acusou Rodrigo e Gabriela de fazerem “macumba” para ela e Haryane e serem responsáveis pela gripe de Isabella. A loira falou que pararia de usar os mesmos utensílios dos adversários, por medo da “magia negra” deles. Acompanhe os vídeos:

 

 

 

 

 

Últimas notícias