Artista é atacada nas redes após esculpir vagina: “Mentalidade equivocada”

A criação da artista Juliana Notari, uma "vulva ferida" de 33 metros em um parque artístico em Pernambuco, gerou polêmica na internet

atualizado 02/01/2021 14:34

Juliana NolariJuliana Nolari/Reprodução

Em meio a um museu a céu aberto no agreste pernambucano, a artista plástica Juliana Notari lançou a sua mais nova criação. Trata-se de uma “vulva ferida” de 33 de metros de altura, 16 de largura e 6 metros de profundidade. A peça se chama Diva. Fruto de um trabalho performático que a artista fazia em paredes, a imagem trabalha as questões de gênero e a natureza.

“A arte para dialogar com questões que remetem a problematização de gênero, a partir de uma perspectiva feminina aliada a uma cosmovisão que questiona a relação entre natureza e cultura na nossa sociedade ocidental falocêntrica e antropocêntrica”, contou Juliana.

Para ela, a vagina representa desperta algo sagrado. “Eu busco tratar da reflexão acerca da desigualdade de gênero e também da destruição do planeta Terra, como entidade e ser vivo. A vulva representa o nascimento, de onde vem a vida, e a obra construída na terra relembra para onde todos vão após a morte, de volta à natureza”, explicou Juliana em entrevista ao Metrópoles.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Foi necessária a mão-de obra de 20 engenheiros para dar vida à peça, que levou mais de 11 meses para ficar pronta no parque artístico botânico Usina de Arte, em Água Preta, no município da Zona da Mata Sul, em Pernambuco.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Construído em uma antiga usina de cana-de-açúcar, o parque é uma “livre reprodução de Inhotim”, e tem como objetivo ressignificar o local a partir da arte, imprimindo riqueza cultural a um espaço que carrega uma herança histórica marcada pela dominação e pelo patriarcado.

“É muito impressionante porque o projeto se difere de outros, pois é voltado para a população de lá, que usufrui do parque para diversas finalidades. Eles começam a ver o ambiente em que vivem com outros olhos, invertendo a lógica da arte com intuito de garantir acesso cultural às pessoas”, destaca Juliana.

Repercussão nas redes

Após compartilhar a obra em suas redes, Juliana viu o trabalho viralizar, recebendo um retorno negativo e ofensivo por parte de usuários de diferentes redes sociais. A artista, que não esperava tantos “haters”, comparou os ataques com um enxame de abelhas. “Vem de todos os lados e você não sabe bem como lidar com aquilo”, diz.

Os comentários vieram, inclusive, de cidadãos de outros países, como Estados Unidos e França. A pernambucana, que defende a arte como um fenômeno político e importante ferramenta para despertar reflexão, enxerga que incitar o debate é importante, desde que ele não venha acompanhado puramente de uma enxurrada de ataques.

“Eles revertem o significado dos questionamentos e os criminalizam com uma mentalidade completamente equivocada”. A onda de ódio, segundo ela, vem do momento em que estamos vivendo, marcado pela “destruição do diferente”.

A repercussão, contudo, não foi inteiramente negativa. Em depoimentos, visitantes retratam o espaço como um lugar maravilhoso, uma experiência espirituosa. “Imagina quando ela levantar”, diz um dos comentários. Juliana enxerga o retorno positivo como um empoderamento feminino alinhado aos ciclos.

“Essa conexão do feminino, especialmente do olhar de mulheres, reconecta a humanidade com a força que vem da natureza e que está em nós. Além de questões de gênero, a obra te como objetivo combater a lógica capitalista de exploração do corpo e da terra, como se os recursos fossem ilimitados”.

Mais lidas
Últimas notícias