Sindicato sobre vídeo de detento espancado na Papuda: “Só presos foram ouvidos”

Caso foi revelado em 1ª mão pelo Metrópoles. Segundo sindicato, policiais penais ainda não tiveram chance de apresentar suas versões

atualizado 04/06/2021 22:31

Homem sendo espancadoReprodução

O Sindicato dos Policiais Penais do Distrito Federal (Sindpol) defendeu a investigação do caso do espancamento de um detento na Papuda noticiado em primeira mão pelo Metrópoles nessa quinta-feira (3/6). Segundo a instituição, o episódio deve ser “devidamente apurado, mas sem julgamentos precipitados”.

Segundo o presidente do Sindpol, Paulo Rogério, a categoria defende a devida elucidação do caso, com a oitiva de
todos os envolvidos e espaço para o contraditório e ampla defesa. “Infelizmente, até o presente momento, somente os presos envolvidos foram ouvidos pelas autoridades competentes”, argumentou, em nota.

“A divulgação de dados sigilosos, em fase incipiente de apuração, não só expõe os envolvidos a julgamentos precipitados, como fragiliza a segurança penitenciária”, acrescentou. De acordo com o sindicato, o detento mostrado nas imagens soma 72 anos de prisão e extensa lista de infrações disciplinares. Ou seja, é considerado de alta periculosidade.

A entidade sindical pretende se manifestar dentro do devido processo legal. “O Sindpol reitera seu compromisso com a defesa da categoria nos termos constitucionais vigentes”, concluiu a nota.

Leia a nota completa:

Nota – Sindpol by Metropoles on Scribd

O caso

Três policiais penais lotados no Complexo Penitenciário da Papuda foram afastados preventivamente pela Vara de Execuções Penais (VEP), a pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), sob acusação de espancarem dois presos encarcerados no Presídio do Distrito Federal I (PDF I).

Os servidores ainda usaram uma escopeta municiada com balas de borracha e atiraram em detentos que estavam dentro de uma cela. Os dois fatos, registrados por câmeras de segurança, ocorreram na noite de 16 de abril de 2021.

Assista:

 

As sessões de violência teriam contribuído para a exoneração do ex-secretário de Administração Penitenciária (Seape) Agnaldo Curado, em 25 de maio. O caso foi considerado gravíssimo pelas autoridades após câmeras instaladas nas galerias do Bloco D da PDF I flagrarem cenas em que um detento é espancado por nove policiais penais armados com tonfas – espécie de cassetete.

Investigação

O caso é apurado pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional (Nupri) do MPDFT e acompanhado de perto pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

Sem defesa

Os dois presos alvo das agressões teriam brigado no interior de uma cela que abrigava 23 internos, por volta de 18h40. Os policiais penais integrantes da equipe de plantão correram até o local e teriam dado ordens para a confusão cessar. Em seguida, um dos servidores apontou uma escopeta calibre 12 por dentro de uma das passagens de ar usada para ventilar a cela e abriu fogo. No vídeo, é possível identificar o momento em que faíscas provocadas pela combustão do disparo saem pelo cano da arma longa.

Veja:

 

Um dos apenados recebe a ordem de abrir a porta da cela em que ocorria a briga e fica com o rosto voltado para a parede. Em seguida, outro interno envolvido na confusão deixa o interior do local, senta no corredor e cruza os dedos das mãos atrás da cabeça. Posteriormente, o detento se levanta, tira o short e fica apenas de cueca. O grupo formado por nove policiais chega logo depois, e o espancamento começa.

Sem apresentar qualquer reação, o interno é cercado e golpeado com tonfas, enforcado e jogado no chão, onde recebe chutes e pisões. As imagens não mostram o outro detento apanhando, embora ele também conste como agredido na investigação conduzida pelo MPDFT. Após o episódio, os dois foram levados para o “castigo”, tipo de solitária em que os presidiários ficam afastados da massa carcerária sem direito a banho de sol.

Denúncias graves

A denúncia acrescentou, ainda, que atendimentos jurídicos por videoconferência estariam sendo cancelados quando os custodiados apresentavam lesões corporais, a fim de evitar que esses ferimentos fossem vistos. Nessas hipóteses, aponta o documento, a justificativa era a de que o cancelamento seria em razão do isolamento por suspeita de contaminação por Covid-19.

As gravações foram entregues ao Ministério Público pelo então Diretor da PDF I, delegado Mário Lúcio de Menezes do Amaral. Cerca de um mês depois, no entanto, Mário Lúcio foi exonerado do cargo e substituído pelo policial penal Helton José Meireles Júnior, chefe do plantão responsável pelas agressões cometidas contra os presos.

Lesões confirmadas

Logo após as agressões, os policiais penais se viram obrigados a confeccionar uma ocorrência administrativa, e os presos precisaram ser levados ao Instituto Médico Legal (IML), onde passaram por exame de corpo de delito.

Apenas em um dos detentos, conforme mostra o laudo, foram constatadas as seguintes lesões: “Ferida contusa medindo cerca de 2 centímetros em região palpebral superior esquerda com edema leve local. Edema leve da mucosa interna do lábio superior; ferida contusa superficial de cerca de 1 centímetro em região occipital direita da cabeça; escoriação de cerca de 3 centímetros de diâmetro em região anterior do joelho direito e escoriação de cerca de 5x2cm em região posterior do ombro direito”.

O segundo detento a passar pelo IML apresentou machucados em decorrência do suposto espancamento, como um dente quebrado e lesões em um dos punhos.

Versões contraditórias

O Ministério Público também apura o conteúdo da ocorrência administrativa confeccionada na Papuda. Quando confrontadas pelas imagens registradas nas câmeras de segurança, as alegações dos policiais penais seriam contraditórias.

Os fatos não teriam ocorrido exatamente como descrito na ocorrência administrativa. As declarações iniciais dos sentenciados aos médicos legistas e aos representantes da direção da PDF I também não condiziam com o descrito pelos policias penais.

Em 28 de maio, um promotor de justiça e sua equipe passaram o dia realizando oitivas de pessoas presas na PDF I. As investigações seguem em andamento.

Direitos humanos

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da CLDF, Fábio Felix, encaminhou à Seap um pedido de investigação sobre o episódio. No documento, o distrital pediu “a análise dos fatos relatados e das solicitações elencadas, e a tomada das providências que garantam a dignidade dos internos do Sistema Penitenciário do DF”.

Veja o ofício abaixo:

 

Já o MPFDT, em nota, confirmou a investigação e ressaltou que a intenção é identificar outros envolvidos nas agressões. Veja o texto, na íntegra:

“Poucos dias após os fatos, o Ministério Público recebeu denúncia sobre as agressões e de imediato iniciou investigação interna sigilosa, requisitando à direção do presídio o resguardo da integridade física dos presos e o envio das filmagens sobre os fatos. Em seguida, o MPDFT realizou diligências, identificou policiais envolvidos e pediu que fossem afastados, o que foi prontamente atendido pela VEP. No dia 11 de março de 2021, foi editada a Recomendação Conjunta º 01/2021 – Nupri/MPDFT – NEP/DPDF que, dentre outras providências, indica que a SEAPE deve enviar ao MPDFT, no prazo de 48h, as imagens relativas a eventos envolvendo violência contra custodiados. O MPDFT prossegue com as investigações para apurar os fatos e identificar os demais envolvidos, a fim de que sejam devidamente responsabilizados. Também analisa a possibilidade de investigar possíveis vazamentos, uma vez que a investigação é sigilosa”.

O que diz a Seap

A  Secretaria de Administração Penitenciária também se manifestou e destacou ter afastado os envolvidos em cumprimento à decisão expedida pela VEP. A pasta ainda ressaltou que a atitude dos servidores não faz parte dos protocolos da unidade. Leia a nota abaixo:

Ainda no âmbito da investigação administrativa, a Seape/DF determinou a abertura de sindicância para apurar todas as circunstâncias acerca da denúncia ora apurada pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional (Nupri) do MPDFT. Em relação aos presos envolvidos, a pasta determinou a transferência deles para outra unidade prisional. A medida visa assegurar a integridade física dos detentos. Ressalte-se que a Seape/DF não coaduna com qualquer desvio de conduta por parte de seus servidores e adotará todas as medidas cabíveis para averiguação dos fatos informados e, caso se confirmem, promoverá a devida responsabilização dos envolvidos“.

Últimas notícias