metropoles.com

Segurança do DF amanhece sob tensão do fantasma de 8/1 com a volta de Bolsonaro ao país

Bolsonaro irá desembarcar por volta das 7h30 desta quinta. GDF e outros órgãos preparam forte esquema de segurança para evitar um novo 8/1

atualizado

Hugo Barreto/Metrópoles
Segurança do DF amanhece sob tensão do fantasma de 8:1 com a volta de Bolsonaro ao país2

As forças de segurança do Distrito Federal amanhecem nesta quinta-feira (30/3) em clima de tensão. Com a previsão de retorno do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o efetivo da capital federal passará pelo primeiro grande teste após os atos antidemocráticos de 8 de janeiro.

O desembarque de Bolsonaro está marcado para 7h30 no Aeroporto de Brasília. Ele chegará em um voo comercial vindo dos Estados Unidos e há a previsão da presença de grupos de apoiadores no local.

Fontes da Polícia Militar do DF (PMDF) relataram ao Metrópoles que há um clima de ansiedade na tropa pelo temor de que uma depredação ou invasão como as registradas em 8/1 se repitam na capital.

Em entrevista realizada nessa quarta-feira (29/3), o secretário de Segurança Pública do DF, Sandro Avelar, afirmou que haverá um grande efetivo de policiais nas ruas.

“Não serão permitidas manifestações no aeroporto. A Esplanada, assim como o aeroporto, estará sendo monitorada e estaremos prontos para fechar em um prazo curtíssimo, caso seja necessário. Não quer dizer que vai. Mas, a princípio, estamos trabalhando com o intuito de criar o menor prejuízo possível à cidade. E eventuais abordagens poderão ser feitas”, comentou.

Segundo o chefe da pasta, a SSP entrou em contato com representantes do ex-presidente para acordar detalhes da chegada. Também presente na coletiva de imprensa, o superintendente da Polícia Federal no DF, delegado Cezar Luiz Busto, afirmou que Bolsonaro não irá sair do aeroporto pela rota convencional. Ele ainda ressaltou que todos os envolvidos na operação, inclusive representantes do ex-presidente, concordaram com a decisão.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

“O ex-presidente tem facilidades por ser ex-presidente, como ter prioridade em fila e o acompanhamento da PF. Ele não sairá pelo saguão normal. Temos prerrogativas legais de determinar por onde ele pode sair. Não é um ato ilegal ou autoritário”, reforçou.

Sobre o local pelo qual Bolsonaro deixará o terminal, Busto explicou que, por se tratar de informação sensível, a corporação não vai revelar. Ele ainda pediu que apoiadores não aglomerem no aeroporto.

“Estamos buscando preservar a rotina do Aeroporto Internacional de Brasília. Temos em torno de 40 mil pessoas que por lá trafegam durante o dia. Qualquer problema pode repercutir em toda a malha aérea brasileira. Então, estamos orientando para que se evite aglomeração no local”.

Apoiadores

Ainda em relação aos apoiadores de Bolsonaro, o superintende da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no DF, Igor Ramos, informou que há uma movimentação de ônibus com apoiadores de outros estados, mas, segundo ele, ainda não se pode falar em caravanas.

PRF: apoiadores estão a caminho do DF para acompanhar volta de Bolsonaro

“A PRF sabe que existem ônibus que vão vir para cá, mas não posso afirmar que há caravanas. Não existe, neste momento, um acréscimo considerável de ônibus vindo para cá. Não haverá bloqueios nas rodovias federais”, disse Ramos.

O superintendente ainda comentou que não há, por enquanto, a previsão de Bolsonaro passar por rodovias durante esta quinta.

Questionado sobre a possibilidade de os apoiadores instalarem um “novo acampamento”, parecido com o montado em frente ao Quartel-General do Exército após as eleições de 2022, o secretário Sandro Avelar afirmou que a pasta não enxerga que haja chances.

“A gente tem acompanhado esse tipo de movimentação, mas não se pode afirmar, neste momento, que há esse tipo de possibilidade”, ressaltou.

Trajeto

Sobre a possibilidade de Bolsonaro sair do aeroporto e encontrar apoiadores nas ruas ou fazer algum tipo de “desfile em carro aberto”, Avelar cravou que essas atitudes não serão permitidas.

“Carro aberto, por exemplo, o Código Nacional de Trânsito não permite. Ele acenar para eventuais pessoas que estejam no caminho, não há problema. Uma coisa é certa: o fluxo do trânsito estará sendo monitorado para que não haja mudanças. A gente vai cuidar para que, durante o trajeto, ele não pare para cumprimentar pessoas. Faremos escolta no sentido de segurança”.

Avelar ainda afirmou que manifestações e aglomerações também não serão permitidas. Porém, caso haja algum imprevisto, ele reforçou que a tropa da PMDF estará de prontidão para fechar vias, se necessário for.

O retorno de Bolsonaro será o primeiro grande teste de Avelar à frente da Segurança Pública do DF. Ao fim da coletiva, ele reforçou que haverá um grande efetivo na rua, e que o maior foco será evitar prejuízos ao dia a dia de Brasília.






Quais assuntos você deseja receber?