Professor do DF que levou seis facadas não reagiu a assalto

Acusado pelo crime, Janderson Soares do Prado passou por audiência de custódia e será mantido preso preventivamente

atualizado 03/03/2020 15:55

Reprodução/Redes sociais

A Justiça converteu em preventiva a prisão em flagrante do acusado de dar seis facadas no professor Hebert Silva Miguel (foto em destaque), 26 anos, durante assalto em uma parada de ônibus do Pistão Sul (Taguatinga). Janderson Soares do Prado, 30, já havia sido condenado por furto e cumpria pena em regime de prisão domiciliar.

O docente não reagiu ao assalto. “Segundo consta, o autuado abordou a vítima, anunciou o assalto, exigindo-lhe o aparelho celular. Mesmo Hebert tendo entregue o bem, o autuado lhe desferiu diversas facadas. O fato é concretamente grave e a prisão se mostra necessária”, destacou a juíza Vivian Lins Cardoso, da Primeira Vara Criminal de Taguatinga. Janderson passou por audiência de custódia nesta terça-feira (03/03/2020).

O assalto ocorreu na manhã de segunda (02/03/2020), em uma parada perto da Smart Fit. O quadro clínico do professor de história, de acordo com informações do último relatório médico, é grave. Hebert está entubado, sob observações constantes.

Devido à falta de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), o educador foi transferido na madrugada desta terça-feira (03/03/2020) do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) para o Hospital Regional de Santa Maria.

Após ser operado, o professor segue sedado, e com quadro instável, segundo o último boletim da madrugada desta terça.

A vítima levou duas facadas no abdômen, uma no tórax, duas no ombro esquerdo e uma na cabeça. Hebert Silva saiu de Samambaia, onde mora, por volta das 5h30, e tinha como destino o Novo Gama (GO), no Entorno do DF, onde trabalha. O ladrão queria o celular do docente, mas não chegou a levar o aparelho, que estava preso ao fone de ouvido.

O delegado-chefe da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), Josué Ribeiro, afirmou que o criminoso “não falava coisa com coisa” após ser preso pela PM e que não se lembrava de ter esfaqueado a vítima.

“O Janderson foi capturado pela PM com a faca do crime na cintura, ainda com sangue. Quando perguntei de onde era esse sangue, ele me disse que tinha furado a própria perna e que era dele. Também falou que não se lembrava de ter esfaqueado o Hebert”, assinalou o investigador.

Na delegacia, o assaltante foi autuado ainda pelo crime de falsa identidade, pois mentiu sobre seu nome, informando a identificação do pai, já falecido. Janderson tem sete passagens por furto, além do latrocínio tentado, ocorrido na manhã dessa segunda. Caso condenado, ele pode pegar de 7 a 18 anos de cadeia.

“Bandido está chegando em casa antes do policial”

Em evento público nesta terça-feira (03/03/2020), o governador Ibaneis Rocha (MDB) falou sobre o caso. Ressaltou que cerca de 45 minutos depois do crime, a PM conseguiu deter o suspeito, que seria usuário de drogas.

“O Brasil não produz drogas. Elas vêm pelas fronteiras. Aí vem o problema de quem fiscaliza as fronteiras, que é o governo federal. Temos que dividir nossas atribuições na área de segurança. Cada um cumprindo a sua, vamos dar mais segurança à população. Não estou atribuindo culpa a ninguém. Estou pedindo que cada um assuma a sua responsabilidade para que possamos prestar o melhor serviço à sociedade”, salientou o titular do Palácio do Buriti.

O emedebista ainda criticou o Judiciário em relação às audiências de custódia. “O bandido está chegando em casa antes de o policial sair do plantão. Desanima a nossa polícia. Temos que mudar o nosso sistema. Segurança não se faz sozinho”, acrescentou.

Últimas notícias