*

Mais lidas

GDF quer convencer Polícia Civil de que 33% são, na verdade, 37%

GDF convoca a imprensa para dizer que a proposta de reajuste oferecida aos policiais civis — com 8% em 2018; 7% em 2019; 8% em 2020; e 10%, em 2021 — equivale a 37% porque os percentuais serão aplicados cumulativamente. Mas a categoria deve recusar a oferta na assembleia de quinta (1°/9)

Daniel Ferreira/Metrópoles
Manoela Alcântara
 

O Governo do Distrito Federal tenta desarmar uma bomba com data e hora para explodir: às 14h desta quinta-feira (1°/9). Nessa hora, os policiais civis farão uma assembleia para discutir a proposta de reajuste escalonado de 33% apresentada pelo Buriti, nessa quarta (30). Como o sindicato da categoria já anunciou que a oferta deve ser rejeitada, o GDF lançou a contraofensiva. Na mesma noite da apresentação da proposta, o secretário-chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, convocou entrevista coletiva para anunciar a arma palaciana: a matemática. O governo Rollemberg quer provar que 33% é um percentual igual a 37%.

Os servidores da Polícia Civil cobram isonomia salarial em relação à Polícia Federal, que recebeu aumento de 37% da gestão Michel Temer, em três parcelas, entre 2017 e 2019.  O GDF ofereceu 33% nas seguintes condições: 8% em 2018; 7% em 2019; 8% em 2020; e 10%, em 2021. Somados, os percentuais chegam a 33%, mas o secretário explicou que, com os índices que incidem durante os anos, o cálculo correto é 37%.

A conta é difícil de entender, mas não se pode considerar os percentuais brutos porque eles não serão aplicados em cima do salário atual, mas sim em cima das remunerações reajustadas ano a ano. Fica assim: se um policial civil ganha hoje, por exemplo, R$ 7.500. Em 2018, receberá R$ 8.100. Com o segundo reajuste, ganharia R$ 8.667; com o terceiro, R$ 9.360,36 e, em 2021, receberia R$ 10.296,40, o que dá um reajuste total de 37,29% sem contar a inflação do período. Resta saber se a categoria comprará o argumento do Buriti nesta quinta-feira (1°/9).

Rombo
Sérgio Sampaio afirmou que a situação do governo é preocupante e que a proposta foi estudada e feita após diversos estudos e muito esforço. Segundo ele, somente com pessoal, incluindo os gastos do Fundo Constitucional, gasta-se R$ 26,5 bilhões por ano. “A Lei de Responsabilidade Fiscal precisa ser levada a sério. A chefe do Estado acaba de perder o cargo por não respeitá-la”, afirmou ao fazer referência ao impeachment de Dilma Rousseff.

Para ele, é temerário falar em reajuste. “Não estamos inventando uma crise. Vamos ter que contar com a recuperação de mercado, esperar que a economia reaja. Não teríamos como conceder o aumento num espaço de tempo menor. Estamos fazendo isso com imenso esforço. É uma prova de boa vontade e reconhecimento do serviço prestado pela Polícia Civil do DF”, completou Sampaio.

O secretário-chefe da Casa Civil afirmou ainda que existe um rombo enorme nas contas do GDF. “Para fechar este exercício, temos um deficit de R$ 1 bilhão, isso contando com o reajuste de 32 categorias, que começa a ser pago em outubro”, afirmou Sampaio.

O reajuste concedido às 32 categorias deveria ter sido pago em setembro de 2015, mas depois de longas greves, o governo conseguiu negociar o pagamento inicial para outubro de 2016. “Somente com esses aumentos, será uma despesa extra de R$ 1,5 bilhão ao orçamento. No término das quatro parcelas a serem pagas à Polícia Civil, serão mais R$ 545 milhões”, contabilizou o secretário.

“Recuo”
Em nota publicada pelo Sindicato dos Policiais (Sinpol), o presidente da entidade, Rodrigo Franco “Gaúcho” afirmou que a proposta já foi recusada pela entidade na reunião interna. “A falta de avanços deve agravar ainda mais a Operação PCDF Legal e outras ações.” Além disso, ele afirmou que “esses 33% em seis anos quebram a paridade da PCDF com a Polícia Federal, tanto em índices quanto em datas, e estão mais distantes dos anseios dos policiais civis do que as propostas anteriores, que previam um aumento já no segundo semestre de 2017”.

 

 

COMENTE

Polícia FederalGrevePolícia Civilreajuste salarialOperação legal
comunicar erro à redação

Leia mais: Segurança