Em assembleia geral nesta quarta-feira (24/1), delegados decidiram pedir a exoneração do diretor-geral da Polícia Civil do DF, Eric Seba (foto em destaque). Segundo o Sindicato dos Delegados de Polícia do Distrito Federal (Sindepo-DF), o chefe da corporação não representa a categoria, porque a “sua subserviência ao governo é atentatória à dignidade do cargo e instituição”.

Em entrevista à rádio Metrópoles FM, nesta quinta (25), o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) reagiu com veemência: “Não governo sob pressão”. O socialista reforçou que tem plena confiança em Eric Seba, reafirmou que a condução da PCDF é técnica e não política e destacou a queda dos índices de criminalidade para justificar o bom desempenho do delegado á frente da corporação.

O presidente do Sindepo-DF, Rafael Sampaio, por sua vez, informou que um ofício será entregue ao Palácio do Buriti, nos próximos dias, formalizando o desejo de que o diretor-geral seja demitido. “Isso se dá pela absoluta falta de diálogo e pelo fato de nos sentirmos traídos em relação à busca da recomposição salarial. Ele é absolutamente omisso”, disparou.

Não é de hoje que o clima entre o chefe e os subordinados não vai bem. Durante um encontro com os colegas em 2016, Eric Seba havia se comprometido em garantir a paridade salarial da PCDF com a Polícia Federal. Em caso de fracasso, chegou a afirmar, entregaria o cargo – o que não foi feito, lembrou Rafael Sampaio.

No início de janeiro, a insatisfação foi incendiada com a circulação de áudio no qual o diretor-geral chama um delegado de “maconheiro” e insinua serem corruptos os que desejam “desestabilizar a instituição por conta da direção”. O ocorrido causou indignação entre os membros do Sindepo-DF.

Ao Metrópoles, na época, o diretor da Polícia Civil do Distrito Federal confirmou a veracidade das gravações, feitas em uma reunião da cúpula da corporação. Disse, ainda, que iria abrir uma apuração interna para investigar o vazamento.

Em defesa de Seba
Para o deputado distrital Wellington Luiz (PMDB), o diretor-geral tem competência, mas o Executivo local não consegue deixá-lo agir em prol da categoria. “O governador do DF, Rodrigo Rollemberg, não tem respeitado a corporação da forma como ela merece, e é óbvio: isso tem atrapalhado a relação do diretor com os policias”, sustenta.

O parlamentar ainda reforça que o pedido de exoneração do Sindepo-DF não tem garantia de efetivação, pois quem admite e demite é o governo. A reportagem não conseguiu contato com Eric Seba até a última atualização desta matéria.