Como agem os hackers no DF. Cinco deputados já caíram em golpes

Polícia Civil do Distrito Federal recebe, em média, três denúncias de invasões a celulares por dia na capital do país

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 01/08/2019 14:46

Golpes aplicados a partir da invasão de aplicativos de conversas instalados em telefones celulares têm se tornado corriqueiros no Distrito Federal. Em média, três ocorrências são registradas diariamente. A Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC) tem acompanhado os avanços tecnológicos a fim de evitar a propagação das fraudes. A maioria dos crimes segue a mesma dinâmica, o bandido clona o WhatsApp ou o Telegram da vítima, copia os contatos e, se passando pelo dono do número, pede depósitos bancários.

Os representantes do Congresso Nacional entraram na mira dos hackers: a PCDF instaurou inquéritos para apurar ataques virtuais a pelo menos cinco deputados federais. Os nomes são mantidos em sigilo pela corporação.

Segundo os investigadores, os hackers ficam sediados bem longe da capital do país, normalmente no Ceará e em São Paulo. “O objetivo dos criminosos nas ocorrências registradas no DF é patrimonial. Eles clonam os aplicativos e passam a se comunicar com os contatos, como se fossem a vítima. A partir daí, solicitam transferências em dinheiro”, explicou o delegado-chefe da DRCC, Giancarlo Zuliani.

“Infelizmente, muitas pessoas ainda caem. Confiam e passam a quantia pedida. Houve um caso onde o montante transferido foi de R$ 70 mil. A nossa recomendação é sempre ligar para a pessoa antes”, completou o policial. Giancarlo Zuliani destacou que o aplicativo mais afetado é o WhatsApp: ele abarca 97% das ocorrências.

Invasões ao Telegram, como ocorreu com o ministro da Justiça, Sergio Moro, e procuradores da Lava Jato são minoria na capital. “Dificilmente atendemos ocorrências envolvendo o Telegram. No entanto, apesar de parecer mais seguro, ele é tão ou mais vulnerável do que o WhatsApp quando não usado da forma correta. Há possibilidade de criar caixas de diálogos secretas, criptografadas de ponta a ponta. Fora isso, o app está suscetível a invasões tanto quanto os demais”, salientou o delegado.

Depósitos

Em fevereiro de 2018, o então deputado federal Ronaldo Fonseca (sem partido) foi vítima do golpe. Após perceber que seu celular estava sem sinal, o parlamentar recebeu um alerta da companheira dizendo que a conta dele no WhatsApp ligada ao número funcional da Câmara dos Deputados estava enviando pedidos de depósitos bancários a contatos de sua lista telefônica.

“Eles mandaram mensagem no grupo da família. Minha esposa viu e achou estranho”, contou o parlamentar à época. Nas mensagens, os criminosos iniciam um diálogo e questionam se o interlocutor possui conta no Banco do Brasil ou na Caixa Econômica Federal. Em seguida, pedem para o contato realizar uma transferência, sob o pretexto de que o limite bancário já havia sido ultrapassado e o valor seria ressarcido em breve.

Fonseca registrou boletim de ocorrência eletrônico e notificou os amigos do incidente. A reação, no entanto, não foi rápida o suficiente para impedir que dois contatos do deputado caíssem no golpe. Um conhecido realizou uma transferência no valor de R$ 2 mil, enquanto outro depositou R$ 1,7 mil na conta dos criminosos e pagou um boleto de R$ 300. O político conta ter acionado a operadora telefônica. Foi identificada uma transação realizada por um homem portando documento falso em loja de São Paulo.

Espião

Em alguns registros, o autor – que tem acesso ao celular da vítima – instala aplicativos espiões. Funciona como se fosse um “grampo” clandestino e capta ligações e conversas, além de mostrar a localização em tempo real do aparelho. Com alta tecnologia, só é possível detectá-lo após perícia especializada.

A prática, feita sem consentimento, é considerada crime. A Lei Carolina Dieckmann, criada em 2012, detalha a tipificação criminal dos delitos informáticos. As alterações no Código Penal foram produzidas após a atriz global ser vítima de crackers que invadiram o computador dela e divulgaram fotos íntimas. A pena para quem comete esse tipo de delito é de 1 a 3 anos de prisão, além de multa.

Swindle

O golpe não se restringiu a deputados federais no último ano. Em julho de 2018, a Polícia Federal deflagrou a Operação Swindle, com objetivo de desarticular um grupo que realizava clonagens de números telefônicos de ministros e secretários para aplicar a fraude.

As investigações começaram em março, após os celulares dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria de Governo, Carlos Marun, e do ex-ministro do Desenvolvimento Social e Agrário Osmar Terra terem sido clonados.

Policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva nos estados do Maranhão e Mato Grosso do Sul. As ordens foram expedidas pela Justiça Federal em Brasília. De acordo com a PF, o grupo abria contas falsas. Os criminosos se “apossavam” de informações em troca de mensagens de WhatsApp de autoridades públicas e, fazendo-se passar por elas, solicitavam transferências bancárias das pessoas registradas nas listas de contato.

Últimas notícias