Os sindicatos que representam os trabalhadores na saúde pública estarão juntos na luta contra a implantação de organizações sociais no Brasil. A ideia foi lançada e debatida nesta sexta-feira (15/7), em São Paulo, pela presidente do SindSaúde-DF, Marli Rodrigues.

Reunida com os dirigentes do Sinsaude-SP, na sede da entidade, a sindicalista conseguiu apoio da maior entidade do país para a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS). Durante o encontro, a representante do DF conseguiu ainda o agendamento de encontro com dirigentes do sindicato de Minas Gerais.

“Será uma grande união para acabar de uma vez por todas com esses desviodutos de recursos públicos que são as OSs, como tenta implantar insistentemente o governo do DF. Vamos lutar pelo resgate e valorização do SUS, da atenção primária e principalmente da ética dos gestores que estão mais interessados no empresariado do que na população “, frisou Marli.

O presidente em exercício do Sinsaude-SP, José Sousa da Silva, reconheceu os gargalos na implantação de OS ao anunciar apoio à iniciativa da colega brasiliense. “A união faz a força”, resumiu.
Já o secretário-geral da entidade, Joaquim José da Silva Filho, decidiu convocar as entidades parceiras, tanto as federações como confederações de trabalhadores da saúde, para garantir a preservação de uma saúde pública de qualidade. “A nossa luta será a de todos”, comprometeu-se.

Além de representantes do DF e de São Paulo, o ex-ministro do Trabalho, Rogério Magri, fez questão de contatar representares de sindicatos de outros estados, como Minas Gerais, para agendar um encontro nos próximos dias, em Brasília. “Vamos agora levantar a bandeira e o exemplo do SindSaude de Brasília e levar essa luta para todo o país”, finalizou. (Informações do Sindisaude-DF)