*
 

A defesa de Celina Leão (PPS) tem até a próxima segunda-feira (19/9) para recorrer da decisão que afastou a deputada distrital da presidência da Câmara Legislativa. De acordo com o advogado de Celina, Eduardo Toledo, ele fará uma análise dos procedimentos no fim de semana para definir qual decisão tomar. Toledo também defende o deputado distrital Cristiano Araújo (PSD).

O eventual pedido se refere a recurso do agravo regimental dos afastamentos cautelares. Nesse caso, o prazo expira na segunda-feira (19). Para qualquer outra ação na Justiça referente à Operação Drácon, os prazos são outros.

Ainda não há definição se o recurso, caso seja feito, será impetrado no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), de onde veio a decisão do afastamento; ou no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A Operação Drácon investiga um suposto esquema de corrupção envolvendo o pagamento de propina a parlamentares por meio de uma emenda de R$ 30 milhões, destinados ao pagamento de serviços vencidos em UTIs da rede pública.

O alvo da Operação Drácon foi a antiga Mesa Diretora, composta por quatro parlamentares: Celina Leão (PPS), presidente; Raimundo Ribeiro (PPS), 1º secretário; Julio Cesar (PRB), 2º secretário; e Bispo Renato Andrade (PR), 3º secretário, além de Cristiano Araújo, que não integrava o colegiado. Todos foram afastados da Mesa por decisão da Justiça, que, no entanto, manteve o exercício das funções parlamentares do grupo.

 

 

COMENTE

Celina Leãooperação drácon
comunicar erro à redação

Leia mais: Política