*

Celina sobe o tom contra Rollemberg. CPI da Saúde marca nova reunião

Presidente da Câmara Legislativa critica o que chama de “atos do GDF contrários às apurações” de corrupção na saúde local. Presidente da comissão, deputado Wellington Luiz quer acelerar acareação entre a sindicalista Marli Rodrigues e o vice-governador Renato Santana após divulgação de novo áudio

Gabriel Jabur/Agência Brasília
Suzano Almeida
 

As novas denúncias envolvendo a saúde pública do Distrito Federal e a tentativa do GDF de desqualificar as suspeitas sobre a existência de um grande esquema de corrupção no Executivo repercutiram na Câmara Legislativa. No dia em que o Metrópoles publicou um novo grampo feito pela sindicalista Marli Rodrigues e revelou que uma das empresas vencedoras da licitação para fornecer alimentação aos hospitais é suspeita de fraude, a presidente da Casa, Celina Leão (PPS), subiu o tom das críticas ao governo local.

Na tarde desta quinta-feira (28/7), por meio de nota, a distrital disse que “manifesta apoio incondicional às investigações da CPI da Saúde e repudia, veementemente, os atos do GDF contrários às apurações”.

O governador Rodrigo Rollemberg teve a oportunidade de estancar a corrupção instalada desde o governo passado e não o fez. Os modus operandi da corrupção continuam nesta gestão"
Celina Leão, presidente da CLDF

Nesta quinta (28), também foi definida a data da próxima reunião da CPI da Saúde na CLDF. Segundo o presidente do colegiado, Wellington Luiz (PMDB), será na próxima quarta-feira (3/8). Na ocasião, será discutido o conteúdo do novo áudio divulgado pelo Metrópoles, no qual o vice-governador, Renato Santana (PSD), afirma que o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) “está fodido”.

Na conversa, Santana se refere ao processo de transição do atual sistema de gestão da saúde para o modelo das organizações sociais. O vice mostra-se indignado com o fato de a decisão sobre a terceirização já ter sido tomada. Diz que não entra na discussão do assunto, porque não quer ficar só com o “ônus” do processo e questiona de onde o governo vai tirar dinheiro para financiar as OSs.

Segundo o presidente da CPI, as novas revelações agravam a situação tanto de Marli — pivô do vazamento de gravações com autoridades do primeiro escalão — quanto de Santana, e reforça a necessidade de uma acareação entre ambos, já que o vice-governador disse ter tido apenas um encontro com a sindicalista.

“Vamos marcar para a próxima quarta-feira uma sessão para acelerar o processo de acareação entre eles, já que na quinta-feira (4), por conta das Olimpíadas, será ponto facultativo. O que fica claro é que o vice-governador estava sob juramento e mentiu à CPI. A Marli também mentiu. Qual é o objetivo em soltar essas gravações aos poucos? Quais são as intenções deles ao mentir para a CPI?”, questiona Wellington, que garante que a linha de investigação não mudará, mas que a atenção será redobrada.

Críticas
O distrital Roosevelt Vilela (PSB), do mesmo partido do governador Rodrigo Rollemberg, criticou a postura do vice-governador nos diálogos com a presidente do SindSaúde. “O vice-governador não respeitou a liturgia do cargo que ele ocupa. Com essa postura, ele apenas confirma que não tem noção que está dentro do governo. Parece que ele está torcendo contra o governo e isso fica desagradável”, disse Roosevelt, que deve deixar a Câmara Legislativa na próxima segunda-feira (1º) para o retorno do hoje secretário Joe Valle (PDT).

Confira a íntegra da nota de Celina:

“A deputada Celina Leão, presidente da Câmara Legislativa, manifesta apoio incondicional às investigações da CPI da Saúde e repudia, veementemente, os atos do GDF contrários às investigações.

A parlamentar suspendeu o recesso legislativo e convocou extraordinariamente a Câmara, para que os membros da CPI pudessem discutir as novas denúncias veiculadas na imprensa, fazer oitivas em função dos áudios de conversas comprometedoras de servidores com autoridades, que demonstravam indícios de corrupção no GDF.

Celina condena a forma como o atual governo age no propósito de desqualificar a denunciante, Marli Rodrigues, que, de forma corajosa, traz a público notícias de possíveis irregularidades implantadas na pasta da saúde.

Neste momento delicado, vem o GDF com mais um ato de covardia ao exonerar o delegado de polícia Rafael de Sá Sampaio, que, juntamente com uma equipe de delegados ofereceu, voluntariamente, ajuda nas investigações da CPI da Saúde.

A presidente da CLDF entende que, nesta crise, toda ajuda para a CPI é bem-vinda, quanto mais vindo de uma polícia séria e comprometida com a verdade, como é a PCDF.

A deputada repudia, ainda, o fato do governo ter fechado todo o canal de negociação com os policiais civis do DF, na busca de alternativa de recomposição salarial. Celina diz que não se pode crucificar toda uma categoria só pelo fato de a polícia investigar, de forma independente, atos do GDF.

A parlamentar entende, ainda, que este governo, que ela ajudou a eleger, perdeu o rumo de suas propostas de campanha. Se tornou uma continuação do governo Agnelo, que a deputada Celina tanto combateu e, hoje, o ex-governador responde a dezenas de processos cíveis e criminais, na maioria, por conta de suas representações.

É importante lembrar que, por meio das fiscalizações realizadas por Celina, a Justiça anulou os contratos da licitação do transporte público. Mesmo sabendo disto, o atual governo não tomou providências no sentido de cumprir com a decisão judicial.

O governador Rodrigo Rollemberg teve a oportunidade de estancar a corrupção instalada desde o governo passado e não o fez. Os modus operandi da corrupção continuam neste governo.”

 

 

COMENTE

Rodrigo RollembergCâmara LegislativaRenato SantanaMarli Rodriguescrise dos grampos
comunicar erro à redação

Leia mais: Política