metropoles.com

Plano de saúde dos servidores do GDF terá aumento médio de 20%. Entenda

Segundo o Inas, responsável pela gestão do plano, o reajuste é necessário para sanar as perdas da inflação e manter o equilíbrio do convênio

atualizado

Compartilhar notícia

Andre Borges/Esp. Metrópoles
Cirurgia - Metrópoles
1 de 1 Cirurgia - Metrópoles - Foto: Andre Borges/Esp. Metrópoles

As mensalidades do plano de saúde dos servidores do Governo do Distrito Federal, o GDF Saúde, terão aumento médio de 20%. Este é o primeiro reajuste do convênio, criado em 2020, responsável pelo atendimento de 85 mil pessoas atualmente.

O reajuste foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) de terça-feira (15/8). Segundo o Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores (Inas), o reajuste é necessário para compensar a inflação e manter o equilíbrio financeiro do plano.

As contribuições para servidores ativos passarão de valores entre R$ 400 e R$ 1 mil por participante para o mínimo de R$ 490 e o máximo de R$ 1.190.

Para os dependentes, havia distinção se a pessoa era ativa ou inativa, com valores que variavam entre R$ 200 e R$ 400. Agora, só a idade será levada em conta. As mensalidades ficarão entre R$ 230 e R$ 490.

0

O reajuste entrará em vigor a partir de 1º de setembro de 2023, com efeitos financeiros para os beneficiários em outubro.

Para driblar o déficit

Segundo estudo atuarial do Plano GDF Saúde, existe uma projeção de déficits financeiros crescentes para os exercícios de 2023, 2024 e 2025, caso não haja alteração em seu custeio.

“Para manter o plano ativo, além da participação dos beneficiários, o GDF arca com quase metade da despesa. No entanto, os custos mensais aumentam a cada dia” disse a diretora-presidente do Inas, Ana Paula Cardoso.

Hoje, pelos cálculos do Inas, as despesas totais do plano estão na órbita de R$ 70 milhões por mês. Para o Inas, a recomposição é necessária para manter a rede credenciada, que conta com Sírio-Libanês, por exemplo.

Abaixo do mercado

“Esses valores ainda são inferiores aos praticados nos planos privados, mantendo-se vantajosos tanto para os beneficiários mais jovens quanto para os mais idosos”, argumenta o diretor de Finanças do Inas, Luciano de Barros.

“Com essa mudança, o aumento estimado de receita mensal do Inas será de R$ 4,5 milhões, que, aliado a outras medidas de saneamento, permitirá o equilíbrio financeiro e a sustentabilidade do plano”, resume Barros.

Números e inflação

Segundo o Inas, entre outubro de 2020 e julho de 2023, o IPCA subiu 23,67% e o IGP-M 26,80%. No mesmo período, a Agência Nacional de Saúde (ANS) autorizou reajustes da ordem de 25,71%.

Considerando os custos do mercado de saúde, apenas entre 2020 e 2022, houve um aumento no Custo Médico Hospitalar de cerca de 38,38%.

O reajuste anual está previsto na Lei nº 3.831/2006, responsável pela criação do plano, e também na lei que rege os reajustes da ANS.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações