metropoles.com

PF faz operação contra grupo que contrabandeou 500 mil celulares

Segundo as investigações, há indícios de remessa ilegal de mais de R$ 1,6 bilhão ao exterior. No DF, a ação focou na Feira dos Importados

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
Policiais e fiscais em frente a quiosque
1 de 1 Policiais e fiscais em frente a quiosque - Foto: Divulgação

A Receita Federal e a Polícia Federal (PF) deflagraram, na manhã desta quarta-feira (10/7) a Operação Corisco Turbo, para desmantelar uma organização criminosa responsável por importar ilegalmente grandes quantidades de mercadorias de origem estrangeira sem qualquer pagamento de tributos.

A operação acontece em diversas cidades do Brasil. No Distrito Federal, fiscais e policiais fizeram diligências na Feira dos Importados, no SIA.

Veja:

Segundo as investigações, há indícios da remessa ilegal de mais de R$ 1,6 bilhão ao exterior e que mais de 500 mil telefones celulares tenham sido trazidos de forma ilegal para o país pela organização criminosa nos últimos cinco anos.

Segundo o Superintendente-Adjunto da Receita Federal na 1° Região Fiscal, Erivelto Alencar, o esquema criminoso causou um prejuízo estimado de R$ 500 milhões aos cofres públicos.

Foram cumpridos 51 mandados de busca e apreensão, 25 ordens de sequestro de bens imóveis, 42 ordens de sequestro de veículos. A operação bloqueou R$ 280 milhões nas contas dos alvos da operação.

Confira:

6 imagens
Grupo criminoso enviou R$ 1,6 bilhão ilegalmente para o exterior
Criminosos causaram prejuízo de R$ 500 milhões aos cofres públicos
Bandidos contrabandearam 500 mil celulares
O nome da operação, Corisco Turbo, faz referência ao modelo do avião apreendido durante a prisão em flagrante que originou as investigações, em fevereiro de 2022, no aeródromo Botelho, em São Sebastião (DF)
A operação bloqueou R$ 280 milhões nas contas dos alvos
1 de 6

Receita Federal e PF deflagram operação para desarticular organização criminosa que importava produtos sem pagar impostos

Divulgação / Receita Federal
2 de 6

Grupo criminoso enviou R$ 1,6 bilhão ilegalmente para o exterior

Divulgação / Receita Federal
3 de 6

Criminosos causaram prejuízo de R$ 500 milhões aos cofres públicos

Divulgação / Receita Federal
4 de 6

Bandidos contrabandearam 500 mil celulares

Divulgação / Receita Federal
5 de 6

O nome da operação, Corisco Turbo, faz referência ao modelo do avião apreendido durante a prisão em flagrante que originou as investigações, em fevereiro de 2022, no aeródromo Botelho, em São Sebastião (DF)

Divulgação / Receita Federal
6 de 6

A operação bloqueou R$ 280 milhões nas contas dos alvos

Divulgação / Receita Federal

A operação contou com aproximadamente 250 policiais federais e 120 servidores da Receita. Além do DF, a força-tarefa agiu em São Paulo, Goiás, Paraná, Santa Catarina, Maranhão e Rio Grande do Norte.

Proibidos de deixar o Brasil

Os mandados foram expedidos pelo Juízo da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, que também determinou medidas cautelares diversas da prisão em desfavor dos principais investigados. Eles estão proibidos de deixar o país, devem entregar os passaportes em 24 horas e não podem se ausentar do município de domicílio. Também deverão comparecer mensalmente ao Juízo Federal para informar suas atividades e estão proibidos de manterem contato uns com os outros.

Segundo os investigadores, a organização criminosa se subdividia em núcleos responsáveis pela negociação e venda de produtos eletrônicos, transporte/armazenamento, constituição de empresas fictícias, envio de dinheiro para o exterior e receptação dos produtos para revenda em comércios.

Os investigadores descobriram indícios de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas por meio de doleiros e de transferência de criptomoedas. Os suspeitos devem responder pelos crimes de falsidade ideológica, descaminho, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e organização criminosa, que possuem penas máximas que podem chegar a 37 anos de reclusão.

Corisco Turbo

O nome da operação, Corisco Turbo, faz referência ao modelo do avião apreendido durante a prisão em flagrante que originou as investigações, em fevereiro de 2022, no aeródromo Botelho, em São Sebastião-DF.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?