Perícia em computador confirma que homem esquartejado no DF forjava notas

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), a vítima foi morta por traficantes após pagar uma dívida com notas sem valor

atualizado 11/08/2020 20:28

DF: partes de corpo achadas em esgoto pertencem a brasiliense desaparecidoReprodução

O laudo da perícia realizada no computador de Anderson Rocha Alves, 35 anos, encontrado esquartejado em uma estação de tratamento de esgoto da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), na Avenida das Nações, confirmou que a motivação do crime foi falsificação de dinheiro.

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), a vítima foi morta após pagar com notas sem valor uma dívida que tinha com traficantes .

Segundo a investigação da 4ª DP (Guará), Anderson também estava envolvido com compra e venda de informações pessoais de terceiros. “Para nossa surpresa, além de ter informações referentes à compra e venda de dinheiro falso, ele tinha CPF, nome, endereço e coisas referentes à clonagem de cartão no computador”, explica o delegado-chefe Ataliba Neto.

Os policiais descobriram que o crime ocorreu em uma região chamada Biqueira, situada em uma área verde entre a linha do trem que passa entre o Guará e o ParkShopping. A execução ocorreu entre os dias 19 e 20 de junho e contou com a participação de um grupo de traficantes que comanda a área. O chefe do bando, identificado como Mancha, teria sido um dos mandantes.

0
Envolvidos seguem foragidos

No dia 4 de agosto, a PCDF chegou a prender três pessoas e cumpriu quatro mandados de busca e apreensão, em Santa Maria, Recanto das Emas e Guará, por envolvimento no crime.

Pelo menos outras cinco pessoas identificadas ainda não foram encontradas e a 4ª DP pede para que qualquer informação sobre o paradeiro dos suspeitos seja passada pelo 197.

0
DNA

Partes do corpo de Anderson começaram a aparecer na estação de tratamento de esgoto da companhia entre os dias 23, 24 e 25 de junho. O material foi encaminhado para análise do Instituto Pesquisa de DNA Forense (IPDNA) da PCDF. Especialistas confirmaram que todos os fragmentos eram do mesmo cadáver, além de comprovar a identidade do homem.

Um mês após o crime, em 18 de julho, um dos responsáveis pela morte brutal de Anderson também perdeu a vida. Luis Guarino Couto, que seria um dos alvos da operação, acabou morto durante um assalto a um motorista de aplicativo no Paranoá.

Últimas notícias