Pedófilo usava perfil falso com nome de mulher para assediar alunos do DF

De acordo com as apurações, o suspeito usava um número de telefone específico para conversar com alunos de colégios privados

atualizado 23/07/2020 19:25

Pedófilo preso no MaranhãoVídeo/PCDF/Reprodução

Investigadores da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro) descobriram um novo perfil mantido nas redes sociais pelo pedófilo preso nessa quarta-feira (22/7), no Maranhão, e que teria feito mais de 60 vítimas no Distrito Federal. O criminoso utilizava a página para trocar fotos e vídeos com alunos de um colégio particular, ainda em 2017. O homem usava nome e foto falsos e se apresentava como Ana Beatriz Melo.

A PCDF identificou que o suspeito usava um número de telefone específico para travar diálogos com alunos de escolas privadas. “Além dos mais de 60 números que já haviam sido identificados, apareceu essa nova vítima desse outro perfil nesta quinta-feira. Provavelmente surgirão outras inúmeras vítimas desse outro perfil e telefone”, explicou a delegada responsável pelas investigações, Elizabeth Frade.

O próprio pedófilo já sinalizou conhecer outras vítimas. Segundo ele, “Ana Beatriz Melo” mantinha contato com diversos alunos. Nesta quinta-feira (23/7), mais adolescentes procuraram a 12ª DP afirmando terem sido vítimas do pedófilo.

Em um dos novos casos, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) tomou conhecimento de uma denúncia registrada ainda em 2017. Preso preventivamente, o acusado já se encontra detido na carceragem da PCDF. Ele confessou os crimes.

Rede de pedofilia

Após ouvirem as vítimas, os policiais civis irão investigar se o criminoso integrava uma rede de pedofilia e distribuição de pornografia infanto-juvenil. “Vamos ver se ele fazia compartilhamento das imagens com alguma rede. O celular dele foi apreendido e será encaminhado para a perícia.”

Aos policiais civis, o pedófilo afirmou que recebia vídeos e fotos e “guardava para ver depois”. “Localizamos outras ocorrências no mesmo número do autor aqui no DF e no celular dele encontramos mais de 60 números vinculados a adolescentes daqui”, finalizou Elizabeth.

O criminoso não teve a identidade revelada em função da nova Lei de Abuso de Autoridade. As fotos e os vídeos desta reportagem foram borrados pela própria polícia. Segundo a PCDF, o homem se identificou como trabalhador autônomo.

Veja o momento da prisão: 

Modus operandi

Vítimas do pedófilo cogitaram suicídio com medo do vazamento das fotos e vídeos de nudez enviados ao criminoso. A investigação teve início após os pais de uma adolescente de 13 anos registrarem ocorrência na unidade policial.

Para ganhar a confiança das vítimas, de acordo com os investigadores, o suspeito se passava por uma adolescente. Ele usava um perfil falso no Instagram para conquistar a confiança das vítimas.

Quando ficava mais próximo dos jovens, o criminoso, então, fornecia um telefone para conversa via aplicativo de mensagens.

Ao longo dos diálogos, ele exigia que as vítimas o enviassem fotos e vídeos íntimos. Segundo os investigadores, o pedófilo exigia que os jovens introduzissem objetos no ânus ou se masturbassem – tudo deveria ser filmado e encaminhado.

Quem se recusasse a enviar o conteúdo era ameaçado pelo criminoso. O temor de que o suspeito tornasse as gravações e as fotos públicas levou vários adolescentes ao desespero. Alguns, segundo a PCDF, cogitaram suicídio.

 Instagram se posiciona

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Facebook, dono do Instagram, se posicionou sobre o caso envolvendo o pedófilo. “O Instagram não tolera esse tipo de comportamento ou o compartilhamento de conteúdo que traga exploração sexual infantil em sua plataforma. Colaboramos com as autoridades responsáveis pelo caso desde o início das investigações”, disse o porta-voz do Facebook.

Últimas notícias