No Encontro, mulher arrastada diz: “Não quero ajuda dele, mas justiça”

A resposta de Marina Izidoro de Morais foi sobre o fato de Willian Weslei Lelis Vieira dizer que iria arcar com custos do atropelamento

atualizado 21/06/2019 13:36

JP Rodrigues/Metrópoles

Quase uma semana após ser arrastada por um carro de luxo em Taguatinga, Marina Izidoro de Morais, 63 anos, participou do programa Encontro, de Fátima Bernardes, nesta sexta-feira (21/06/2019). A vítima declarou, ao vivo, que se sente profundamente agradecida por toda a ajuda que tem recebido da população. Ela diz esperar por “justiça”.

Quando a apresentadora Patrícia Poeta, que substitui Fátima nesta sexta, mencionou que o empresário Willian Weslei Lelis Vieira, 35, proprietário e condutor da Mercedes envolvida no crime, declarou que arcaria com custos relacionados ao atropelamento, Marina surpreendeu na resposta. “Ele tinha de me socorrer na hora. Devia ter me levado para um hospital particular, já que é empresário. Agora ele quer me ajudar? Não, eu quero é justiça”, afirmou.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Em depoimento, Willian afirmou ter feito uma “brincadeira“, que acabou deixando Dona Marina machucada e traumatizada. A amiga dele, Larissa Alves de Andrade da Cunha, 28, também estava dentro do veículo. “É uma brincadeira que não se faz nem com animal. Eu vi a minha morte. Pela minha idade, até que estou tranquila”, disse a vendedora, aliviada de não ter sofrido maiores ferimentos.

Maicon Roberto, o único filho de Marina ficou arrasado com a situação. “Na hora que cheguei ao hospital e a vi daquele jeito, comecei a chorar”, contou. A mulher ainda recebeu balões em sua homenagem. Neles, estavam escritas palavras de carinho, como “gratidão” e “respeito”. Uma vaquinha virtual criada para ajudar a vítima já ultrapassou R$ 69 mil. A meta inicial era chegar a R$ 10 mil.

O caso

O caso ocorreu em uma noite de sábado (15/06/2019), na Área Especial 1, em frente ao colégio Marista em Taguatinga Sul. A mulher, traumatizada, acredita ter renascido. “Não está doendo nada, só ardendo. Eles me arrastaram, e a minha minha cabeça ficou presa entre as rodas do carro. Pensei que fosse morrer”, frisou, enquanto recebia atendimento do Corpo de Bombeiros.

De acordo com os investigadores da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), que apura o caso, algumas testemunhas ainda precisam ser ouvidas em depoimento no decorrer da próxima semana para que os indiciamentos sejam feitos. O motorista poderá responder por lesão corporal no trânsito, tentativa de homicídio e roubo qualificado, já que o casal tentou levar os balões sem pagar a vítima.

 

Assista ao vídeo:

Dona Marina relatou que trabalhava no local quando o motorista do Mercedes-Benz aproximou-se dela e pediu três balões. Enquanto a vendedora separava os itens solicitados, a passageira, no banco do carona, solicitou um desconto. Como Marina se recusou a vender o produto mais barato, a mulher puxou os balões da mão da idosa e fechou o vidro. Nesse momento, o condutor do carro arrancou em alta velocidade.

Os balões estavam amarrados ao braço de Marina, e ela acabou sendo arrastada pelo automóvel. O criminoso somente parou quando as bexigas se soltaram. O motorista usava uma camisa do Flamengo, segundo a vítima.

Testemunhas contaram que, após a ação, o proprietário e condutor do carro de luxo, adquirido por R$ 220 mil em dezembro de 2018, fugiu da cena do crime. A vendedora foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) e encaminhada para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Ela sofreu diversas escoriações pelo corpo.

Mais lidas
Últimas notícias