Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

PF prende suspeitos de ocultar corpos de Bruno e Dom no Vale do Javari

A Polícia Federal atua para combater a pesca ilegal no Vale do Javari, no Amazonas, onde cumpriu sete mandados de prisão

atualizado 06/08/2022 15:45

Região do Vale do Javari, onde o indigenista e o jornalista desapareceramMaterial cedido ao Metrópoles

A Polícia Federal (PF) desencadeou operação, neste sábado (6/8), contra pesca ilegal no Vale do Javari, no Amazonas, e cumpriu sete mandados de prisão, expedidos pela Justiça Federal. Entre os presos, estão três suspeitos de participação na ocultação dos corpos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, assassinados em 5 de junho na região.

Os alvos da ação são integrantes de um grupo que atua com pesca ilegal na terra indígena Vale do Javari e imediações. Segundo a PF, eles são ligados a Amarildo Oliveira, o Pelado — denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por ter participado do assassinato de Bruno e Dom —, e a Ruben Villar, o Colômbia, investigado por esquema de pesca na área.

As prisões preventivas foram solicitadas pelo MPF e deferidas pela Justiça, com o objetivo de apurar a participação dos investigados em organização criminosa que financia e pratica a pesca ilegal na região, inclusive dentro de terra indígena.

A pesca clandestina do pirarucu ocorre com frequência na localidade. O peixe é uma das carnes mais apreciadas do país, especialmente na Região Norte. A reserva indígena no Vale do Javari seria invadida constantemente por pescadores irregulares. Os criminosos faturariam cerca de R$ 100 por cada quilo do pescado vendido.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0
Presos

Pelado e Colômbia estão presos preventivamente em Manaus. O primeiro, pela participação no duplo homicídio. O segundo, por uso de documentos falsos — Colômbia tem documentos de identificação do Brasil, do Peru e da Colômbia.

Em 21 julho, o Ministério Público denunciou três pessoas pelos assassinatos de Bruno e Dom. A iniciativa do MPF foi recebida pela Justiça Federal em Tabatinga (AM), o que fez com que os três envolvidos se tornassem réus.

Mais lidas
Últimas notícias