Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

PCDF prende último foragido de bando que dava golpe do falso sequestro

Criminosos ligavam para idosos afirmando terem sequestrados algum familiar e exigiam determinadas quantias como suposto resgate

atualizado 21/03/2022 16:52

Homem de preto com arma na mãoRafaela Felicciano/Metrópoles

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), prendeu, nesta segunda-feira (21/3), o último foragido da Operação Fraus, que reprimiu uma organização criminosa voltada para a prática de diversos crimes de extorsão mediante golpe do falso sequestro. O homem foi detido em Ceilândia.

Os policiais também apreenderam a motocicleta que ele utilizava nas ações de coleta de pertences das vítimas. O bando preso por aplicar um golpe do falso sequestro no DF fez várias vítimas. Em um dos casos, uma idosa ficou desesperada, acreditando que a filha corria perigo de vida.

Áudio obtido pela coluna mostra o momento em que a vítima recebe ligação de uma mulher fingindo ser sua filha. Ela pergunta: “É você, Elisângela?”. A mulher confirma e pede para a idosa conversar com os falsos sequestradores e não desligar o telefone.

Logo depois, um dos criminosos diz para a vítima que “só vai acontecer maldade com ela se a senhora desligar ou falar com alguém o que está acontecendo”. A idosa, então, pede: “Deixa minha filha em paz”.

Ouça o áudio:

Entenda

A 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) deflagrou, na quarta-feira (16/3), a Operação Fraus. Foram cumpridos sete mandados de prisão temporária e nove de busca e apreensão. Na sexta-feira (18/3), outro foragido da operação foi preso, no Paranoá. A moto que ele usava também foi apreendida.

Os criminosos ligavam para as residências das vítimas afirmando terem sequestrados algum familiar. Assim, exigiam determinadas quantias como suposto resgate. O bando enviava um motoboy a fim de buscar os valores diretamente na cada das vítimas, sobretudo, durante a madrugada. Um vídeo flagrado por câmeras de monitoramento mostra o momento em que uma idosa entrega o dinheiro a um dos bandidos.  Assista abaixo:

O modus operandi da quadrilha causou grande trauma nas vítimas, que temiam que os bandidos soubessem seus endereços. Segundo a polícia, os motoqueiros eram usados em diversos momentos nos quais as vítimas, geralmente idosas, não sabiam realizar transferências pelo aplicativo ou Pix. Dessa forma, os suspeitos exigiam a entrega de quantias em espécie, ou quando as vítimas afirmavam que possuíam joias e demais objetos de valor em casa.

Em determinados casos, as vítimas eram obrigadas a se deslocarem à agência bancária para transferência de valores ou efetuar o saque. Depois, entregavam nas mãos do motoqueiro. A corporação afirmou que os alvos têm conexões com integrantes do Comando Vermelho, no Rio de Janeiro, e as investigações prosseguirão para identificar o restante dos criminosos.

Mais lidas
Últimas notícias