Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Vídeo mostra prisão de policial stalker em apartamento da Asa Norte

A prisão foi complexa e exigiu um grande esforço por parte dos investigadores envolvidos no caso. O imóvel não foi invadido pelos policiais

atualizado 03/12/2021 7:14

prisão policial stalkerprisão policial stalker

Vídeo obtido em primeira mão pela coluna Na Mira, do Metrópoles, mostra a prisão da agente da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) Rafaela Luciane Motta Ferreira (foto em destaque), 40 anos, acusada de esfaquear o ex-namorado. A mulher informou um endereço à Justiça, mas foi localizada em um outro imóvel, na Asa Norte. Foi necessário chamar o advogado e familiares da investigada para negociar a rendição.

A gravação mostra o momento final da ação policial, após a intensa negociação. A mulher, que se rendeu, aparece vestida de branco. Ela entra na casa e sai após alguns minutos. Se despede de um familiar e segue com os policiais e advogados. Uma pessoa chega a perguntar: “Rafaela, está tranquila?”. A policial responde em seguida: “Sempre fui”. Confira:

A prisão foi complexa e exigiu um grande esforço por parte dos investigadores envolvidos no caso. O imóvel, entretanto, não foi invadido pelos policiais.  Toda a ação foi gravada e anexada aos autos para resguardar os investigadores e a agente. A mulher passará por audiência de custódia nesta quinta-feira (2/12) e, em seguida, será encaminhada ao presídio. As investigações seguem em sigilo.

Entenda

A mulher havia sido detida no domingo (28/11) por agredir, novamente, o ex-namorado. Ela foi liberada após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

A coluna revelou que a policial civil deixou uma carta contendo diversas ameaças aos ex-companheiros. O material foi apreendido e é analisado pela Polícia Civil. O texto, suspostamente escrito pela agente, revela parte do perfil agressivo de Rafaela.

Em determinado trecho da carta, ela cita que vai pegar o celular de um dos homens. Em seguida, ela escreve que planeja furar os quatro pneus, riscar a lataria e colocar fogo no carro de outro. A mulher detalha que quer matar um ex-namorado por envenenamento. Ela afirma que também pretende incendiar a moto de outro homem, para que ele pudesse “sofrer em vida” e posteriormente também morrer envenenado.

0

No texto, a policial civil também ameaça os familiares dos companheiros e afirma que um deles vai ver o “corpinho do papai ir pro saco”. Ela pontua que perseguirá o homem até que “ele enlouqueça”. Ainda na carta, Rafaela Ferreira garante que “vai pagar quantos assassinos de plantão forem necessários para acabar com a vida de todos eles. Um por um”.

“Vou colocar maconha na tua mochila, e a PM vai te pegar. Você vai ter um tráfico, meu amor, nas tuas costas. Aguarde e confira. E ainda será no dia do meu plantão. Terei o maior prazer em escrever a ocorrência”, ressaltou.

Prisão

Rafaela cumpriu parte das ameaças na madrugada de domingo (28/11). A mulher furou os pneus do carro do ex e o esfaqueou com um canivete. Vídeos aos quais o Metrópoles teve acesso mostram constantes agressões, durante o relacionamento e após o término.

Nas imagens, a servidora, que havia sido presa preventivamente em agosto, acusada pelo crime de stalking contra o antigo namorado, aparece chutando e dando tapas no rosto do rapaz, em meio a uma luta corporal.

Em outra cena, o homem aparece com ferimentos no peito e nas costas, após ser esfaqueado pela mulher. Por volta das 4h30 de domingo, o rapaz teria percebido uma movimentação estranha nos arredores de casa e foi ver o que estava acontecendo

Neste momento, teria flagrado Rafaela furando os pneus de seu carro, um Celta. Segundo a ocorrência, o homem correu, perseguiu a mulher e, quando ele caiu, a policial teria desferido golpes com um canivete, nas costas da vítima, além de ter dado uma mordida no peito do ex-namorado.

Na delegacia, a vítima disse que a autora não aceitou o término do relacionamento e que, por isso, ele teria entrado com uma medida restritiva, a qual foi descumprida por Rafaela.

O caso foi registrado na delegacia como lesão corporal. Na DP, Rafaela assinou um termo circunstanciado de ocorrência (TCO) e foi liberada. A vítima não ficou gravemente ferida.

Em nota, a PCDF informou que “a autuada pertence aos quadros da instituição e já responde a Processo Administrativo Disciplinar (PAD) na Comissão Permanente de Disciplina (CPD) e a diversos procedimentos na Corregedoria-Geral de Polícia (CGP), e está afastada das funções por licença médica. Ela teve também suas armas recolhidas e a sua restrição será formalmente comunicada ao juízo”.

Ameaça

Em agosto deste ano, o mandado de prisão foi expedido pela 4ª Vara Criminal de Brasília. O documento a acusa de injúria, ameaça, perseguição, furto e dano qualificado.

Mais lidas
Últimas notícias