Mulher foi estuprada por Lázaro no dia do aniversário dela: “Passou arma nos meus seios”

O estupro foi o desfecho de um roubo à residência cometido por Lázaro, na chácara onde a vítima morava com o marido e filho, em abril

atualizado 23/06/2021 11:25

Lázaro BarbosaArte/Metrópoles

O psicopata Lázaro Barbosa, 32 anos, que há 15 dias é perseguido por forças de segurança do Distrito Federal e de Goiás, observou durante dias uma mulher que seria estuprada logo após um assalto a uma chácara, na região do Sol Nascente. O criminoso violentou a vítima no mesmo dia em que ela comemorava aniversário, em 26 de abril deste ano.

O estupro foi o desfecho de um roubo a residência cometido por Lázaro, na chácara onde a vítima morava com o marido e filho.  A presença do psicopata foi notada pelos cachorros da propriedade, que alertaram sobre a presença de estranho no terreno. A mulher estava deitada no quarto quando se levantou para checar o motivo da inquietação dos cães. Lázaro apareceu na janela, empunhando uma arma e ordenando que ela abrisse a porta.

A vítima correu pra sala, onde estava o filho e o marido, mas já era tarde. O criminoso já havia arrombado a porta e obrigado os reféns a acompanhá-lo enquanto revistava cada cômodo. Lázaro usava máscara e óculos escuros durante o roubo para dificultar a identificação.  Após vasculhar toda a casa, ele trancou o marido e o filho da mulher e ordenou que ela o acompanhasse.

Arma nos seios

Sob a mira de um revólver, Lázaro obrigou a vítima a caminhar durante cinco minutos para dentro de um matagal. Em seguida, ordenou que a mulher tirasse o vestido e forrasse o chão com a peça de roupa. Em seu depoimento, ela afirmou que o maníaco demorou a ejacular e chegou a dizer que não sabia por que aquilo estava acontecendo, pois a achava “muito gostosa”.

Enquanto estuprava a vítima,  Lázaro chegou a abaixar a máscara. O psicopata passava a arma pelos seios, rosto e partes íntimas da vítima. O autor da chacina que tirou a vida de quatro pessoas da mesma família aparentava estar transtornado e dizia que frequentava a igreja, que tocava guitarra e baixo, mas que teria ficado “louco”.

Segundo relatos da vítima, a permanência de Lázaro na residência durou cerca de uma hora, e a violência sexual, cerca de 40 minutos. A mulher disse que o autor utilizou seu vestido para limpar as partes íntimas dela e dele. Diante dessa informação, as vestes da vítima foram apreendidas.

Força-tarefa

O cerco ao autor da chacina que aterrorizou moradores da região do Incra 9, em Ceilândia, e de Cocalzinho (GO) entrou no 15º dia. Durante o período, Lázaro trocou tiros duas vezes com a polícia e também com um caseiro de uma chácara em Areia Branca.

Nesse tempo, participaram da força-tarefa policiais federais de Goiás e do Distrito Federal. Na BR-070, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) seguiu com os bloqueios e as revistas de veículos.

O funcionário da chácara teria atirado mais de oito vezes contra Lázaro, que conseguiu fugir. Não se sabe se ele foi atingido. Um grande efetivo policial foi deslocado para a região, apertando o cerco contra o foragido.

O Metrópoles apurou que Lázaro teria pedido comida, e o caseiro não quis dar. Ele, então, efetuou disparos contra a janela da chácara, e o funcionário revidou. O caseiro não ficou ferido.

Tiros
Janela de chácara onde Lázaro efetuou disparos nesta segunda
Chacina

Lázaro é suspeito de matar Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos, esposa de Cláudio e mãe das outras vítimas. O crime ocorreu na madrugada de 9 de junho, no Incra 9, em Ceilândia.

O corpo de Cleonice foi encontrado dias depois, em um matagal. O cadáver estava sem roupa e com um corte nas nádegas, em uma zona de mata perto da BR-070.

Veja fotos das operações em Goiás:

0

Veja a cronologia do crime:

0

 

0

Desde que matou a família Vidal, Lázaro escapou do cerco policial e invadiu propriedades, fazendo novas vítimas. Ainda no Incra 9, em Ceilândia, ele entrou em outras duas propriedades. Obrigou os chacareiros a cozinhar para ele e até a fumar maconha. Sempre agressivo, chegou a roubar e incendiar um carro, próximo a Cocalzinho.

No sábado (12/6), ele invadiu a fazenda da família de um soldado do 8⁰ BPM, próximo a Lagoa Samuel. Ele fez o caseiro refém, quebrou tudo, bebeu e fumou maconha. O criminoso ainda obrigou o funcionário a consumir a droga.

Segundo a corporação, o soldado chegou à propriedade no início da noite, foi até a cancela e, provavelmente, ao abri-la, o homem fugiu, levando o caseiro como refém.

O criminoso seguiu para a fazenda ao lado, a cerca de 700m, e baleou três homens. Havia no local uma mulher e uma criança. Testemunhas informaram que o suspeito da chacina colocaria fogo na casa e só não o fez por causa das vítimas.

Últimas notícias