metropoles.com

Menino morto após apanhar do padrasto sofreu traumatismo craniano

Lesões encontradas no corpo da criança reforçam segunda versão contada pelo padrasto, quando confessou que o enteado bateu a cabeça em quina

atualizado

Compartilhar notícia

Pixabay
Imagem colorida de uma criança segurando um urso de pelúcia - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida de uma criança segurando um urso de pelúcia - Metrópoles - Foto: Pixabay

O menino de 3 anos morto após apanhar do padrasto sofreu um traumatismo craniano na parte frontal direita do rosto. O Metrópoles apurou que o Instituto Médico Legal (IML) identificou que a criança também teve uma congestão cerebral provocada por um edema.

Padrasto mata enteado de 3 anos após menino chorar por saudades da mãe

Os tipos das lesões reforçam a segunda versão contada pelo padrasto, quando confessou que o menino bateu a cabeça em uma quina no momento em que apanhava.

O lado esquerdo do rosto da vítima apresentava marcas compatíveis com o formato de uma mão, segundo a reportagem apurou, o que sugere que ele teria sido agredido com tapas. Além disso, o cérebro da criança apresentou aumento de tamanho devido à lesão na cabeça.

Nessa terça-feira (8/11), o padrasto da criança, um jovem de 24 anos, ligou para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e relatou que o enteado havia caído de bicicleta e batido a cabeça no chão.

O garoto foi atendido e levado para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC), em parada cardiorrespiratória. A morte foi confirmada pouco depois.

Como as lesões identificadas pelas equipes de saúde eram incompatíveis com a versão do padrasto, os médicos acionaram a Polícia Civil, e o suspeito confessou o crime.

O padrasto alegou que não tinha intenção de matar o menino e que queria “corrigir” o comportamento da criança, após uma “birra” devido à ausência da mãe.

Em depoimento, a mãe do menino contou que havia saído para trabalhar em Taguatinga quando recebeu ligação do companheiro. Ele deu a ela a mesma versão sobre a queda de bicicleta.

A mãe da criança voltou para casa imediatamente e, depois, recebeu a notícia da morte do filho.

“Ela disse que o companheiro nunca tinha agredido a criança antes e que nunca soube que o menino tinha sofrido outras lesões”, detalhou o delegado Vítor de Mello, que autuou o suspeito em flagrante.

A mãe foi liberada pela polícia após prestar depoimento, e o padrasto deve responder por homicídio qualificado, por impossibilitar a defesa da vítima e devido ao motivo fútil.

Histórico de agressões

Investigadores da 19ª Delegacia de Polícia (Ceilândia) afirmaram que a criança chegou a dar entrada em várias unidades de saúde do Distrito Federal, com lesões nas pernas e nos braços.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) informou que o Conselho Tutelar de Águas Lindas (GO) havia sido acionado por médicos em janeiro de 2021, mas não conseguiu acompanhar a criança, pois a família se mudou para o Sol Nascente posteriormente. Não houve registro de ocorrência referente às agressões.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?