*
 

Imagine a situação: você contrata um marceneiro, faz o planejamento dos móveis que quer para a sala, o quarto, a cozinha, paga o serviço e não os recebe. Isso aconteceu com ao menos sete pessoas, que denunciam um suposto golpe aplicado por Rogério Marcos Rocha.

O empresário era dono da Inovar Móveis Planejados, na Quadra 303 do Recanto das Emas, e prometia entregar os móveis em até 25 dias, mas não honrava o prazo. Pior: desaparecia após o pagamento do serviço. A estimativa é que ele tenha causado um prejuízo de pelo menos R$ 20 mil.

Rocha anunciava seu trabalho por meio de publicações em redes sociais. Nas postagens, prometia brindes àqueles que contratassem o serviço.

Em um dos anúncios, Rogério diz que “em qualquer orçamento acima de R$ 3 mil, o armário do banheiro sai grátis”. Quem se interessava pelos preços e condições oferecidas era convidado por ele a conhecer a loja. Na unidade, a qual não existe mais, o marceneiro convencia os clientes a fecharem um contrato no mesmo dia e pedia que pagassem antes mesmo da entrega.

Lidiane Malta contratou os serviços de Rogério. Segundo ela, foram gastos mais de R$ 10 mil na confecção de armários de cozinha, mas até hoje não os recebeu. “Tive que ficar mais de dois meses pedindo marmitas porque não tinha como cozinhar”, reclama.

O homem marcava uma visita e dizia que honraria o compromisso, mas não aparecia para instalar os armários. Quando Lidiane percebeu que se tratava de um golpe, abriu um processo no Juizado Especial Cível. Após audiência, em agosto do ano passado, ficou acordado que o marceneiro deveria entregar os móveis prontos até dezembro. Porém, mais uma vez, Rogério não cumpriu com o prometido.

Ameaças
A técnica de enfermagem Jéssica Mendes, 30 anos, conta que soube do serviços por meio de uma das publicações feitas pelo marceneiro. Ela decidiu encomendar um armário e fechou um contrato logo após seu casamento, em setembro de 2017.

Revoltada com a demora na entrega do produto, Jéssica decidiu publicar uma série de reclamações contra o homem nas redes sociais. De acordo com ela, ele não teria gostado das postagens e chegou a ameaçá-la caso não fossem removidas. “Disse que ia me agredir se não tirasse a reclamação e que eu não sabia com quem estava me metendo”.

Outro lado
As vítimas encontram dificuldades para localizar o profissional. Segundo Jéssica, o rapaz teria se mudado para o estado de Goiás, onde abriu uma nova loja e voltou a anunciar seu trabalho em grupos nas redes sociais.

Procurado pela reportagem, Rogério disse que a empresa antiga “faliu e não tem como entregar os móveis”. Ele confirmou não estar mais morando em Brasília, mas garantiu que pretende ressarcir os contratantes tão logo seja possível. “Eu só não entro em contato porque estou sem condições no momento, mas, assim que conseguir o dinheiro, vou fazer o reembolso”, garante.