Líder de quadrilha preso pela PCDF ostentava vida de luxo na Bahia

Operação Falso Curandeiro foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (18/8) para desarticular criminosos acusados de estelionato e fraude

atualizado 18/08/2021 12:46

Alvo da Operação Falso Curandeiro, deflagrada na manhã desta quarta-feira (18/8) por policiais da 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina), em Itaberaba, na Bahia, o chefe do grupo ostentava vida de luxo na região. No total, seis integrantes do grupo criminoso foram presos em flagrante enquanto se preparavam para aplicar golpes em Salvador.

Segundo a PCDF, o líder usava o nome falso de “Fábio”. A prática do crime de estelionato e furto mediante fraude era cometido por quatro pessoas. Um deles abordava os idosos, geralmente na porta de bancos, oferecendo cura para problemas de saúde. Depois, informava que conhecia uma pessoa que o teria ajudado.

“Em seguida, a vítima era apresentada a essa pessoa, que fica próxima. A partir daí, a vítima era convencida a contar seus problemas, e esses dois levavam a outros dois, que a ludibriavam até entregar o cartão do banco. Em seguida, em posse da senha, que, geralmente, está em papel por serem pessoas de idade, davam início aos saques da conta e transferências”, detalha o delegado-chefe da 31ª DP, Fabrício Augusto Paiva.

“A vítima só percebia dias depois. E não raras vezes as vítimas com vergonha da família nem registrava ocorrência”, conta o delegado.

No curso da investigação, verificou-se que a organização criminosa também praticava os crimes em diversas unidades federativas, como São Paulo, Bahia e Espírito Santo, além do DF. Os policiais descobriram que os criminosos haviam retornado a Itaberaba, QG do grupo, três dias antes da deflagração da ação, com, aproximadamente, R$ 500 mil oriundos de golpes no estado de São Paulo, e fizeram as prisões em flagrante.

Para quatro acusados, foram cumpridos mandados de prisão preventiva. Os demais acabaram identificados durante a operação. No total, os policiais apreenderam cinco veículos usados pela quadrilha.

Veja:

Mais lidas
Últimas notícias