Irmão de Gabriel após corpo de jovem ser achado no lago: “Ciclo encerrado”

Luciano Oliveira, irmão de Gabriel, disse que os pais estão tristes, porém conformados, e agradecem pelo empenho dos bombeiros nas buscas

atualizado 13/10/2020 14:23

Luís Gabriel da Silva Oliveira, jovem morto após cair de lancha no Lago ParanoáArquivo Pessoal

Familiares do jovem que morreu após cair de uma lancha no Lago Paranoá, na noite do último sábado (10/10), receberam com muita tristeza a confirmação de que o corpo encontrado na manhã desta terça-feira (13/10) é de Luís Gabriel da Silva Oliveira, 27 anos. Apesar do luto, o sentimento de alívio, por poderem dar ao rapaz um enterro digno, conforta os parentes da vítima.

“De certa forma, é um alívio”, descreve o irmão mais velho de Gabriel, Luciano Oliveira, 39 anos. Segundo ele, só assim a família poderá “encerrar um ciclo de maneira mais tranquila”.

0

Ainda não há informações quanto à cerimônia de despedida de Gabriel, mas Luciano garante que tudo será feito de acordo com a vontade dos pais. “Vou respeitar a decisão deles até o fim”, afirma. É ele quem tem falado com a imprensa desde o dia em que o irmão foi dado como desaparecido. Tudo para resguardar o luto dos pais.

O irmão de Gabriel conta que, apesar do sentimento de perda, todos na família estão se confortando e apoiados na fé. “Tem um Deus que cuida da gente, e não foi diferente desta vez”, diz.

Sereno, Luciano aproveitou a oportunidade para agradecer o trabalho do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF), que atuou por horas incontáveis, inclusive, com militares que estavam de folga se voluntariando nas investigações. “Só temos a agradecer”, diz.

O resgate

Os socorristas encontraram, nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (13/10), um corpo nas proximidades da Ponte JK, no Lago Paranoá. Familiares de Luís Gabriel foram acionados imediatamente e, momentos depois, o reconheceram como sendo do rapaz.

Por volta das 22h dessa segunda-feira (12/10), quando as águas do Paranoá já estavam mais calmas, a equipe do CBMDF esteve no local e os militares utilizaram um equipamento chamado sonar a fim de identificar movimentos na água. À meia-noite encontraram um “objeto”, que poderia ser um corpo, a aproximadamente 20 metros de profundidade. Pela manhã, por volta das 6h, retornaram ao local exato e encontraram a vítima, do sexo masculino.

O acidente com Gabriel aconteceu na noite do último sábado (10/10), nas proximidades da Ponte JK. Uma testemunha, que pediu para não ser identificada, contou ao Metrópoles que havia aproximadamente 10 pessoas na embarcação no momento em que o jovem caiu. “Nós vimos ele caindo”, disse.

“A lancha estava puxando dois jet skis. Nós vimos ele caindo, aí gritaram e eu corri para pegar um colete [salva-vidas] e passar para o menino do jet ski. Nisso, disseram que viram ele acenando e depois já não viram mais”, relatou um colega de Luís, que estava na embarcação na hora do acidente.

O rapaz tinha o costume de passear de lancha com os amigos nos finais de semana, “mas sempre foi tranquilo”. “Dessa vez ocorreu um acidente mesmo, uma fatalidade”, relembra Luciano.
Investigação

Um boletim de ocorrência foi registrado na 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul), que investiga o caso como afogamento.

A Capitania Fluvial de Brasília (CFB), da Marinha do Brasil, informou que instaurou um inquérito para apurar o ocorrido. O órgão vai investigar quantas pessoas estavam na lancha no momento em que Gabriel caiu e “identificar as circunstâncias e responsabilidades”. A embarcação possui lotação para 13 pessoas, incluindo o condutor.

Últimas notícias