GDF marca novas negociações entre moradores de condomínio e empresa

Próxima rodada de conversas para discutir valores entre a população da região do Grande Colorado e a Urbanizadora Paranoazinho será dia 13

atualizado 29/04/2019 22:19

URBANIZADORA PARANOAZINHO/DIVULGAÇÃO

Moradores da região do Colorado e a empresa Urbanizadora Paranoazinho (UP) não chegaram a consenso sobre os pagamentos para a regularização de condomínios. Ambas as partes esperavam ver a questão resolvida nesta segunda-feira (29/04/2019), no Palácio do Buriti. Enquanto síndicos cobraram um preço único pelo metro quadrado, a companhia defende cinco valores distintos. Diante do impasse, o Governo do Distrito Federal (GDF), mediador da discussão, marcou nova rodada de negociações para 13 de maio.

Hoje vivem na região, aproximadamente, 30 mil pessoas. Antes das ocupações, o local era a Fazenda Paranoazinho, de propriedade da UP. Parte dos moradores entrou na Justiça com uma ação de usucapião para conseguir a posse dos lotes. Nesse contexto, recentemente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o recurso de um dos condomínios, o Solar de Athenas, sobre a questão.

Na reunião desta segunda-feira, os moradores defenderam o valor único de R$ 60 pelo metro quadrado para toda vizinhança. Por outro lado, a UP apresentou uma proposta com cinco faixas de preços. As negociações travaram e a empresa abaixou a proposta. Para a área de Contagem I, o preço ficou em R$ 58,23; para Contagem II, R$ 71; em Contagem III, R$ 104; para Boa Vista, R$ 110; e em relação ao Grande Colorado, R$ 100.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) participou da reunião, que teve momentos tensos. No entanto, ele afirmou, após o encontro, que “a conciliação está muito próxima”.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus de Oliveira, um ponto que deve ser levado em consideração pelos moradores é o gasto com infraestrutura e compensações ambientais. Ele ressaltou que, pela proposta atual, esta conta irá para a urbanizadora.

Do ponto de vista do governo, a definição de preços específicos por áreas é mais acertada, porque as regiões têm características diferentes. Contagem I e II têm perfil de baixa renda, enquanto o Grande Colorado varia entre média e alta, por exemplo.

“A nossa avaliação é positiva. Foi dado um novo passo importante, porque já houve uma proposta mais reduzida. O GDF espera que a empresa reduza um pouco mais, embora entenda que os preços já estão abaixo do mercado. Em relação aos condôminos, esperamos que eles tenham sensibilidade, pois os valores propostos já são menores em relação ao que o mercado pratica”, argumentou o secretário.

Negociação
De acordo com o diretor-presidente da Urbanizadora Paranoazinho, Ricardo Birmann, o próprio governador Ibaneis Rocha apoia a construção de um acordo com cinco preços. O emedebista participou da reunião desta segunda-feira (29/04/2019) e bateu na tecla de que a briga na Justiça de alguns moradores pelo direito do usucapião é infrutífera e mais cara, inclusive para a própria comunidade.

“Nós abaixamos nossos preços. São os valores mais baratos do mercado. Se a Terracap trabalhasse com eles, ela quebraria”, afirmou Birmann. Pelas contas do executivo, para as obras de infraestrutura e compensação ambiental na região, a empresa vai desembolsar R$ 200 por metro quadrado, em média.

Segundo o empresário, caso a questão chegue a uma conclusão em 13 de maio, as negociações de compra serão individuais. Ou seja, cada proprietário fará a adesão pessoal no negócio. A urbanizadora montou uma equipe de plantão para prestar esclarecimentos para a comunidade da região.

Mais lidas
Últimas notícias