Decreto libera missas, cultos e celebrações em todos os templos e igrejas

Medida que limitava abertura somente para locais com capacidade para mais de 200 pessoas, por causa da Covid-19, foi derrubada

atualizado 14/08/2020 10:01

Hugo Barreto/Metrópoles

Uma das medidas para evitar o contágio pelo novo coronavírus no Distrito Federal, com a liberação de igrejas e templos, era a realização de cultos e celebrações somente em locais para mais de 200 pessoas. Assim, seria mais fácil manter o afastamento social. Porém, publicação no Diário Oficial do DF (DODF) desta sexta-feira (14/8) derrubou a exigência.

A presença de fiéis ficou proibida por mais de 70 dias e voltou a ser permitida em 3 de junho. No retorno, uma série de restrições foram feitas para manter a distância entre as pessoas. Uma delas era a permissão somente para prédios com capacidade para mais de 200 frequentadores. No decreto desta sexta-feira (14/8), essa exigência foi retirada.

0

 

Liberação de templos e igrejas de qualquer tamanho para realização de missas e cultos

A medida vem poucos dias depois da liberação do público acima de 60 anos em cultos, missas e celebrações de todos os credos e religiões. Na última quarta-feira (12/8), um novo decreto foi publicado e a proibição da presença continuou somente para “crianças com idade inferior a 12 anos e de pessoas com as comorbidades assinaladas no Plano de Contingencia da Secretaria de Estado de Saúde”.

Higienização e distância

Esses lugares também precisam disponibilizar produtos para higienização de mãos e calçados, preferencialmente álcool em gel 70%. Também preconizar o afastamento mínimo de um metro e meio de uma pessoa para outra, com demarcação específica; estabelecimento de uma fileira de cadeiras ocupada e outra desocupada; recomendação para que se evite o contato físico entre as pessoas; e o uso de máscara facial.

Os responsáveis também precisam medir a temperatura na entrada de templos e igrejas e adotar todos os protocolos sanitários para a prevenção da Covid-19. Inclusive com a observação de horários alternados nas celebrações presenciais e intervalos entre eles de, no mínimo, duas horas, de modo que não haja aglomerações internas e nas proximidades dos estabelecimentos religiosos.

A Arquidiocese de Brasília, que rege os fiéis da Igreja Católica no Distrito Federal, publicou uma nota em que aprova a liberação dos frequentadores acima dos 60 anos. Mas deixa claro que não pode haver “prejuízo das demais normas por nós estabelecidas”, no que diz respeito à higienização e outras medidas para manter o distanciamento social. O documento, porém, é de antes da liberação mesmo para igrejas com capacidade de menos de 200 pessoas.

 

Últimas notícias