Garis serão vacinados contra Covid-19 a partir desta quarta (23/6)

Aplicação das doses ocorrerá no Estacionamento 13 do Parque da Cidade. GDF espera aplicar 300 vacinas por dia

atualizado 22/06/2021 23:23

Trabalhador recolhendo lixo ao caminhãoHugo Barreto/Metrópoles

Os profissionais da limpeza urbana do Distrito Federal começam a ser vacinados contra a Covid-19 a partir desta quarta-feira (23/6). A expectativa do Governo do DF (GDF) é aplicar 300 doses por dia até a próxima sexta-feira (25).

A imunização ocorrerá das 9h às 15h no Estacionamento 13 do Parque da Cidade. Para atingir a meta, o governo quer aplicar as doses em 100 garis de cada uma das empresas que prestam serviço de limpeza no DF: Suma, Valor Ambiental e Sustentare.

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) informou que já está organizando a ida dos garis ao posto especificado para os profissionais.

Anúncio feito na segunda

O GDF havia anunciado na última segunda-feira (21/6) o início de vacinação dos profissionais que trabalham na limpeza das ruas das cidades pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

“Os garis que recolhiam o lixo hospitalar já haviam sido imunizados, mas os demais profissionais dessa categoria ainda não. Então, da mesma forma, foi possível incluí-los após o remanejamento das doses para contemplar os garis, que estão na rua todos os dias”, disse o secretário chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha.

Os catadores de material reciclado, no entanto, ainda não serão imunizados.

Catadores

Na última semana, a Defensoria Pública da União (DPU) havia cobrado dos governos estaduais e do Distrito Federal a inclusão das catadoras e dos catadores de materiais recicláveis e reutilizáveis no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19. Um ofício foi remetido diretamente ao governador Ibaneis Rocha (MDB) e determinou 10 dias para que o Palácio do Buriti se posicionasse sobre a recomendação.

No documento, o grupo de trabalho do órgão federal questionou se a população de catadoras e catadores já havia vacinada dentro da prioridade estabelecida para os “trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos”, e cobrava, em caso de resposta negativa, a previsão de vacinação para os trabalhadores que estão nas ruas diariamente.

De acordo com a Defensoria Pública da União, dos 371.209 catadores e catadoras existentes no território nacional, a estimativa é de que 5.809 pessoas trabalhem com recolhimento de objetos recicláveis no Distrito Federal.

“A imprecisão na redação do título do referido grupo prioritário, ao deixar de fazer menção expressa aos ‘catadores de materiais recicláveis’, tem levado a uma incompreensão das autoridades de saúde municipais/estaduais quanto à inclusão destas pessoas no grupo dos ‘trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos  sólidos'”, escreveu o grupo de trabalho.

A Defensoria defende que a inclusão das catadoras e dos catadores de recicláveis deve ser feita no grupo dos “trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos”, caso ainda não tenha sido realizada.

Em janeiro, o Metrópoles noticiou que os profissionais que trabalham diariamente na limpeza das ruas do DF reivindicaram ao Palácio do Buriti que fossem incluídos nos grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19. A justificativa é que o serviço também é classificado como essencial para a população, assim como aqueles que atuam na saúde, educação e segurança local.

O pedido foi despachado pelo órgão para a Secretaria de Saúde, responsável pelo plano distrital de vacinação. Pelas contas atuais, são 4.317 trabalhadores das empresas contratadas pelo GDF e outros 783 servidores, colaboradores e estagiários.

Procurado, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) informou “que sempre esteve ao lado do Governo do Distrito Federal com a certeza de que todos os cidadãos sejam imunizados” e que já estava nas tratativas para que os trabalhadores da limpeza urbana pudessem ser imunizados a partir desta semana.

Últimas notícias