*
 

Mãe de dois filhos, Andréia Regina Vieira, de 44 anos, desloca-se quase todos os dias de Luziânia (GO) até Brasília para trabalhar. Com experiência como vendedora e empregada doméstica, ela faz faxinas desde 2010. Há mais de um ano, a chefe de família passou a usar a tecnologia como aliada e aumentou sua renda em até R$ 2 mil por mês.

Um dos diferenciais de Andréia é estar presente numa plataforma on-line que liga profissionais domésticos a clientes no Distrito Federal. O currículo dela está entre os cerca de 2,8 mil cadastrados em três diferentes empresas que atuam na região, conforme levantamento feito pelo Metrópoles.

Em geral, o sistema funciona como o “Uber da faxina”: os interessados acessam os sites ou aplicativos e, com poucos cliques, contratam a diária ao custo médio de R$ 100. É possível conseguir uma profissional até para o dia seguinte.

É papel das empresas checar os dados dos prestadores de serviços para garantir a confiabilidade do negócio. Depois, eles recebem avaliações dos clientes sobre o trabalho. A promessa é de praticidade e segurança. A princípio, não há vínculo, mas também são oferecidos pacotes semanais, quinzenais e mensais.

Faz muita diferença. Quando eu fiquei desempregada, foi difícil encontrar diárias, porque as pessoas pedem referência. Com o aplicativo, eu desenvolvi mais meu trabalho. As pessoas solicitam mais, têm mais confiança. Para mim, foi um leque que se abriu"
Andréia Vieira, diarista

A estudante de odontologia Daniela Silva, 26, mora com o noivo em Águas Claras e começou a usar o aplicativo há cerca de um ano. Ela conheceu o serviço pelas redes sociais e, como estava precisando de uma diarista, ficou interessada. Agora, fechou um plano semanal de atendimento com Andréia.

“O que me chamou atenção foi a possibilidade de usar a tecnologia, o fato de não ter que ligar para marcar, de não ter que sacar dinheiro para pagar. O serviço também passa segurança, porque a empresa tem todo o perfil delas”, comentou a cliente.

O boletim especial sobre trabalho doméstico, estudo mais recente divulgado na Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-DF), em abril deste ano, mostra que cresceu o número de diaristas na área, enquanto caiu o de mensalistas. Em 2017, na capital do país, eles eram 30 mil trabalhadores; em 2016, 28 mil.

Fonte de renda
Há mais de 20 anos, Ilmara Paiva Costa, 36, deixou Ipiaú (BA) para trabalhar como empregada doméstica em Brasília. Conseguiu sair da casa onde era contratada para se tornar camareira em um hotel no DF, alcançando o cargo de supervisora. Mas ela precisou largar o emprego, em 2016, para cuidar do pai. Como não podia ficar sem renda, começou a fazer faxina. Depois que o idoso morreu, Ilmara resolveu firmar-se na profissão.

Hoje, a principal fonte de renda dela vem do sistema on-line que passou a usar há cinco meses. Descontados os gastos com transporte entre Planaltina de Goiás (GO) – onde mora com três filhos e o marido – e o Distrito Federal, sua renda líquida chega a R$ 1.600.

“Como moro em Goiás, é bem mais difícil arrumar emprego, porque a passagem fica cara. O app Diarix tem me ajudado muito. Para quem quer trabalhar, abre portas”, declarou.

Rose Martins da Silva, 34, já foi babá e empregada doméstica, e há cinco anos embarcou na profissão de diarista. Desde 2016, usa o GetNinjas para encontrar clientes. Ela ficou sabendo da ferramenta em um grupo no Facebook.

“Uma pessoa que eu nem conhecia me deu essa dica. Hoje em dia, o emprego está muito difícil. No aplicativo, todos os dias aparecem vagas, e você pode até escolher para onde ir”, contou Rose.

Negócio social
A Diarix, em que Andréia e Ilmara são cadastradas, é uma empresa brasiliense de impacto social. Criada em 2017, tem projetos de expansão para o interior de São Paulo e Goiânia. Do valor do serviço intermediado, 20% são retidos para pagar impostos e investir na plataforma.

O objetivo, segundo o CEO, Beto Tramontina, é aumentar as chances para os cadastrados. “A maioria tem tempo disponível e precisa complementar a renda. Como empresa social, a gente não visa ao lucro porque a ideia é que todo o ganho seja revertido para a própria empresa”, ressaltou.

Há um mês, o estatístico Tomás Veiga, de 29 anos, descobriu o negócio pelo Instagram e se interessou pela proposta. “Eu não estava encontrando uma diarista. Li um pouco sobre o trabalho no site, achei o preço justo e gostei porque a empresa é sem fins lucrativos. Também gosto da praticidade, de poder pagar no cartão de crédito”, contou.

Seleção e avaliação
Na Diarix há 890 profissionais cadastrados e 88 em atividade. Antes de entrarem nas casas dos clientes, eles passam por uma seleção com avaliação de documentos e entrevista. Ao se tornarem colaboradores, também são acompanhados pela psicóloga Gabriela Rosa de Souza.

A maioria dos trabalhadores é formada por mulheres provedoras de suas famílias, com idade de 35 a 45 anos e até três filhos.

Elas fazem um trabalho duro e dão seu melhor. É uma comunidade que às vezes passa por muito preconceito. Há pessoas que se aproveitam porque sabem que elas vêm de uma classe menos favorecida. Elas precisam saber a importância que têm, então trabalhamos a valorização"
Gabriela Rosa de Souza, psicóloga da Diarix

Cinco estrelas
Andréia completou 100 diárias em agosto deste ano e orgulha-se em dizer que foi premiada como diarista cinco estrelas. E o trabalho pesado do dia a dia a incentiva a buscar novos sonhos. Com ensino médio completo, em 2019, ela pretende começar uma graduação em faculdade de psicologia.

“Estou fazendo cursos agora. Como sou só eu e meus filhos, isso me ajuda muito. O bom também é que a gente conhece muita gente. Já rodei Brasília quase toda”, contou.

 

istock

Como funcionam as plataformas?

  • Diarix

Profissionais cadastrados no DF: 890
Profissionais ativos: 88

Cliente: deve fazer o cadastro no site e escolher o tipo de faxina. É possível também adicionar o serviço de passadeira. O valor varia conforme a solicitação, e o pagamento é feito por cartão de crédito.

Diarista: para prestar serviço pela plataforma, o profissional deve se cadastrar e aguardar contato para entrevista. Depois da seleção, quando houver um pedido, a empresa vai disparar um chamado pelo aplicativo exclusivo.

  • GetNinjas

Profissionais cadastrados no DF: 1.905

Cliente: precisa se cadastrar e solicitar um orçamento para o serviço desejado, por meio do site ou do app para smartphone.

Diarista: depois do cadastro, o profissional deve aguardar contato da empresa. Quando houver um pedido, o sistema permite à diarista entrar em contato com o cliente para negociar o serviço.

  • Parafuzo

Profissionais cadastrados no DF: 100

Cliente: assim como nos casos anteriores, deve preencher o formulário e escolher o tipo de faxina pelo site. Também tem a opção de passadeira. O pagamento é feito por cartão de crédito ou boleto bancário, com valor variável de acordo com o serviço.

Diarista: o interessado também tem de se cadastrar e aguardar contato para assinar o contrato de parceria. Quando houver uma solicitação de diária, a empresa vai disparar um chamado pelo app.