Estelionatários que se passavam por funcionários de banco são presos no DF

A dupla é acusada de integrar quadrilha nacional de golpe contra clientes de instituições bancárias. PCDF encontrou seis vítimas na capital

atualizado 28/10/2020 19:56

Divulgação/PCDF

A 4ª Delegacia de Polícia (Guará) prendeu, na noite dessa terça-feira (27/10), dois acusados de integrar uma quadrilha especializada em roubar cartões de crédito de clientes de bancos. A organização atua em todo o território nacional. No DF, foram pelo menos seis vítimas, na Asa Sul, Asa Norte, no Lago Sul e em Águas Claras.

Foram presos Paulo Alexandre Amaral Raimundo, 48 anos, e um homem de 53 anos. Os dois eram responsáveis por buscar os cartões nas casas das vítimas. Ambos foram autuados em flagrante por estelionato qualificado tentado e indiciados por estelionato qualificado, pois as vítimas eram idosas.

O golpe

Segundo o delegado-chefe da 4ª DP, Anderson Espíndola, a fraude apresentava alto nível de sofisticação. “Eles entram em contato com clientes de banco afirmando que identificaram uma tentativa de fraude no cartão de crédito. Em seguida, transferem a ligação, supostamente, para a área de segurança do banco. Por vezes, pedem a senha, e a vítima acaba passando”, detalha o delegado.

No fim, os bandidos afirmam que vão enviar um motoboy para pegar o cartão de crédito “clonado” e até pedem para que a vítima corte o objeto no meio. “Cortar no meio não corta o chip, e os números ainda podem ser lidos para fazer compras na internet, então, é mais uma enganação”, explica o delegado.

Segundo ele, os homens presos no DF não são os mesmos que ligam para as vítimas. As chamadas, provavelmente, ocorrem de São Paulo. A polícia ainda não sabe como os bandidos sabiam os telefones e os bancos das vítimas.

O delegado Espíndola alerta a população para os perigos desse golpe. “As pessoas precisam saber que não existe isso de o banco recolher o cartão; isso simplesmente não acontece”, reforça.

0

Últimas notícias