Justiça de Goiás bloqueia R$ 100 mil de coronel acusado de improbidade

Luiz Antonio Raíza é investigado por mandar uma viatura escoltar um caminhão que continha ração para boi até a casa de um bicheiro

atualizado 12/08/2020 9:25

O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) decidiu, nesta terça-feira (11/8), bloquear os bens do coronel afastado da Polícia Militar do estado Luiz Antonio Raíza, no valor de R$ 100 mil. Ele é acusado de improbidade administrativa por mandar uma viatura escoltar um caminhão até a chácara de um bicheiro da região.

A ação foi movida pelo o Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) após apuração com os próprios militares. Segundo os relatos, uma ordem chegou a policiais de Água Fria para que viajassem cerca de 130 quilômetros até São João da Aliança e encontrassem um caminhão com toneladas de ração para boi.

A orientação era fazer o acompanhamento do veículo até um local na entrada de Formosa, pertencente a um bicheiro da região. “O coronel deu a ordem para o major, que passou para o capitão e foi descendo até chegar a quem estava na viatura no dia”, explica o promotor de Justiça de Formosa, Douglas Chegury.

Uma vez descoberta a ação policial que, ao invés de patrulhar a região a que pertencia, foi removida das funções para atender um pedido particular, uma ação de improbidade foi ajuizada. “Nós identificamos que ele usou a estrutura policial em favor próprio”, diz o promotor.

Diante das evidência, a 2ª Vara Cível de Formosa ordenou o bloqueio de R$ 100 mil do coronel, que já está afastado das funções. A ideia é garantir que a multa civil e os danos morais coletivos sejam pagos quando a condenação sair.

Procurada às 22h30 pela reportagem, a PMGO terá o posicionamento adicionado a esta matéria tão logo a corporação se manifeste.

0

Últimas notícias