Educação

Tecnologia e metodologias ativas mudam escola

Formato em que professor transmite conhecimento passivamente em uma sala com alunos enfileirados ficou ultrapassado

atualizado 20/01/2023 18:46

A pandemia colocou em xeque o modelo da educação e provou a necessidade do uso da tecnologia nas escolas.

A urgente utilização de ferramentas tecnológicas, com pouco ou nenhum preparo de professores e gestores, como única possibilidade de dar continuidade à aprendizagem dos alunos, jogaram luz na defasagem de formatos de ensino e acelerou mudanças. 

Para Lúcia Delagnello, mestre e doutora em educação pela Universidade de Harvard, o grande legado para a educação agora é a reflexão sobre o impacto que a pandemia teve em acelerar a incorporação das tecnologias.

“A realidade é que as crianças não aprenderam na pandemia [enquanto as escolas estavam fechadas] porque não tiveram o acesso adequado à tecnologia e os professores não sabiam usá-la. O que vimos foi o uso inadequado e não preparado para promover a aprendizagem”, afirma Lúcia Delagnello, que atualmente é diretora-presidente do Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB).

Um diagnóstico realizado pelo CIEB sobre o uso de tecnologia pelas escolas públicas brasileiras, lançado no final de 2022, mostrou que 43% dos gestores escolares consideram que a maioria dos docentes que atuam nas suas escolas apresenta habilidades e competências para o uso de tecnologia na sua prática pedagógica ainda em níveis iniciais.

Para a produção da publicação, foram tabuladas respostas de 117.638 professores de 104 mil escolas públicas brasileiras. 

Lúcia reforça que países que já tinham a experiência em utilizar tecnologia na escola tiveram perdas muito pequenas na aprendizagem de seus estudantes durante a pandemia, como o caso da Estônia. 

Eu sempre falo que a inovação que a tecnologia traz é o repensar da educação. A tecnologia não tem potencial de ensinar, sozinha ela não ensina. O modelo do professor que fala para os alunos em fileira tentando transmitir conteúdo fechado também não faz mais sentido. Qual a melhor forma? Apresentar problemas reais e ajudar os alunos a buscarem as melhores soluções com as ferramentas disponíveis, usando metodologias mais ativas

Lúcia Delagnello

O que são as metodologias ativas?

Nesta modalidade de ensino, os estudantes são estimulados a serem protagonistas de sua aprendizagem.

Dessa forma, os professores atuam como tutores ou mentores, estimulando os alunos a buscarem respostas, soluções de problemas, e construírem conhecimento de forma conjunta com colegas e docentes. As respostas não são dadas facilmente. 

As metodologias ativas se dão por meio de um ensino que prevê a apresentação de problemas e estudos de casos reais em que os estudantes devem propor soluções, passando por discussões em grupo e troca de conhecimentos. 

Outra maneira de utilizar as metodologias ativas é por meio de uma proposta chamada sala de aula invertida, feito por meio do ensino híbrido, em que os estudantes precisam acessar previamente, de forma remota, o material da aula, seja por meio de texto ou vídeo, para seguir para a atividade presencial sobre o mesmo tema.

O objetivo é de que ele já tenha um pouco de informação sobre o que será conversado no encontro presencial para enriquecer o debate e ressignificar esses momentos.

Há, ainda, a gamificação que passa pelo uso de jogos, desafios e dinâmicas para engajar os alunos na sala de aula e a cultura maker em que os estudantes precisam tirar ideias do papel, que podem até ser respostas a problemas, desenvolvendo softwares ou protótipos físicos com itens eletrônicos ou papelaria por meio de atividades mão na massa.